Os 19 filmes que disputam a Palma de Ouro em Cannes

Poster oficial da 70ª edição do Festival de Cannes, em Cannes, em 15 de maio de 2017 (Afp)

Dezanove produções estão na competição pela Palma de Ouro da 70ª edição do Festival de Cannes, que será entregue em 28 de maio pelo júri presidido por Pedro Almodóvar.

– “O Enganado”, da americana Sofia Coppola, com Nicole Kidman e Colin Farrell, é uma adaptação de um romance de Thomas Cullinan que já foi levado ao cinema em 1971, com Clint Eastwood no papel principal. Em plena Guerra da Secessão, a vida em um internato feminino se vê alterada com a chegada de um soldado ferido.

– “Nelybuov”, do russo Andrei Zvyaguintsev, também director de “Leviatã”, aborda o drama familiar de um casal em fase de divórcio que deve se reconciliar para encontrar seu filho de 12 anos que desapareceu durante uma de suas brigas.

– “Good Time”, dos irmãos americanos Benny e Josh Safdie, cineastas independentes de Nova York. O actor Robert Pattinson encarna um assaltante que é preso e tenta escapar durante uma noite carregada de adrenalina.

– “The Square”, do sueco Ruben Ostlund, vencedor do Prémio do Júri em Cannes em 2014 por “Força Maior”, é sobre um director de museu que prepara uma grande exposição, estrelado por Dominic West e Elizabeth Moss.

– “You Were Never Really Here”, da britânica Lynne Ramsay, directora de “Precisamos falar sobre Kevin”, com Joaquin Phoenix. Um veterano de guerra tenta resgatar jovens envolvidas em uma rede de prostituição.

– “L’Amant Double”, do francês François Ozon, suspense erótico com Marine Vacth e Jeremie Renier, sobre uma jovem que namora seu psicanalista antes de descobrir que ele escondeu parte de sua identidade.

– “Jupiter’s Moon”, do húngaro Kornél Mandruczó, vencedor do Prêmio Un Certain Regard em 2014 por “White God”, é um filme fantástico sobre um jovem migrante ferido por tiros que descobre que tem um estranho poder de levitação.

– “In the Fade”, do germano-turco Fatih Akin, director de “Contra a Parede”, com Diane Kruger. Nesta história de vingança no seio da comunidade turca, a actriz dá vida a uma mulher que perdeu o marido e o filho em um atentado.

– “The killing of a sacred deer”, do grego Yorgos Lanthimos, director de “O Lagosta”, com Colin Farrell e Nicole Kidman. Neste suspense, um cirurgião decide tomar conta de um adolescente perturbado, mas a relação começa a piorar.

– “Hikari”, da japonesa Naomi Kawase, directora de “Uma pastelaria em Tóquio”, é um drama sobre um romance entre um fotógrafo que perde lentamente a visão e uma jovem.

– “The day after”, do sul-coreano Hong Sang-soo. Filme em preto e branco com Kim Min-hee, musa do cineasta, sobre um dia na vida de um editor que traiu sua esposa com a empregada.

– “Le redoutable”, do francês Michel Hazanavicius, director de “O Artista”, fala sobre o lendário cineasta Jean-Luc Godard, estrelado por Louis Garrel, baseado no romance de sua ex-esposa Anne Wiazemsky. Ambienta-se no contexto de maio de 1968 na França.

– “Wonderstruck”, do americano Todd Haynes, director de “Carol”. Esta adaptação de um livro para crianças, com Julianne Moore, narra a história de dois jovens surdos.

– “Happy End”, do austríaco Michael Haneke, duas vezes vencedor da Palma de Ouro com “A fita branca” e “Amor”, fala sobre uma família burguesa do norte da França que vive próximo a um acampamento de imigrantes, com Jean-Louis Trintignant e Isabelle Huppert.

– “Rodin”, do francês Jacques Doillon, com Vincent Lindon e Izia Higelin, aborda a história do célebre escultor, de quem neste ano comemora-se o centenário de sua morte, e a relação com sua aluna Camille Claudel.

– “120 battements par minute”, do francês Robin Campillo, director de “Meninos do Oriente”, trata sobre o dia a dia da associação Act Up no início dos anos 1990 para sensibilizar a sociedade sobre a epidemia da sida, com Adèle Haenel.

– “Okja”, do sul-coreano Bong Joon-Ho, com Tilda Swinton e Jake Gyllenhaal, é um filme fantástico sobre a amizade de uma menina com um grande animal, que uma multinacional tenta se apropriar. O filme foi financiado e produzido pela Netflix.

– “The Meyerowitz Stories”, do americano Noah Baumbach, director de “Frances Ha”, com Dustin Hoffman, é sobre o reencontro de uma família nova-iorquina. A Netflix adquiriu os direitos do filme.

– “A gentle creature”, do ucraniano Serguei Loznitsa, director de “Na neblina”, é a adaptação livre de uma obra fantástica de Dostoiévski sobre uma mulher que quer visitar seu marido preso por um crime que não cometeu. (AFP)

DEIXE UMA RESPOSTA