Macron dirige-se ao Mali para reafirmar o compromisso francês na luta contra o Daesh

Emmanuel Macron (REUTERS/Alain Jocard/Pool)

O presidente Emmanuel Macron realiza a sua primeira viagem como comandante-em-chefe hoje, quando se encontrar com tropas que combatem os militantes do Estado Islâmicos no Mali, onde a situação de segurança piorou apesar da intervenção francesa há mais de quatro anos.

O Sahel, uma área politicamente frágil, cujos remotos espaços desérticos, desde a Mauritânia, no oeste, até o Sudão, no leste, hospedam um grupo de grupos jihadistas, é visto como vulnerável após uma série de ataques nos últimos meses.

Isso foi trazido mais à luz após um pico de violência no Mali, onde o ex-poder colonial interveio há mais de quatro anos para expulsar os militantes ligados à Al Qaeda que sequestraram uma rebelião em 2012 por tuaregues étnicos e tentaram tomar o controle da Governo central em Bamako.

Macron, recém-chegado à diplomacia internacional, colocou o contra-terrorismo no topo de suas prioridades de segurança durante a campanha eleitoral, prometendo fortalecer o apoio aos aliados da África Ocidental.

“Emmanuel Macron fez o compromisso durante a campanha de ir imediatamente e ver as tropas envolvidas na luta contra o terrorismo”, disse um alto diplomata francês.

A viagem a Gao, onde se baseiam cerca de 1.600 soldados e onde ele também vai conversar com o presidente do Mali, Ibrahim Boubacar Keita, reafirmará o engajamento de Paris, em contraste com seu antecessor, François Hollande, que iniciou o seu mandato retirando tropas do Afeganistão.

Depois de enviar tropas para o Mali, a França desde então espalhou cerca de 4.000 soldados em toda a região para perseguir os islâmicos, enquanto as forças de paz das Nações Unidas foram desdobradas para garantir a estabilidade do Mali.

No entanto, as forças da ONU têm falta de equipamentos e recursos, tornando um acordo político entre os tuaregues e o governo em Mali cada vez mais frágil e pavimentando o caminho para os islamistas e traficantes para explorar um vazio no norte do país.

“Nosso objectivo no curto prazo é ajudar os exércitos regionais a controlar seu território, especialmente as frágeis zonas fronteiriças”, disse o diplomata. “O processo de paz não está indo rápido o suficiente mesmo se houver um vislumbre de esperança.”

Autoridades francesas reconhecem que Paris provavelmente manterá suas forças na região por um período indefinido. (Reuters)

DEIXE UMA RESPOSTA