Ler Agora:
Chefe do Pentágono acusa Damasco de manter armas químicas
Artigo completo 3 minutos de leitura

Chefe do Pentágono acusa Damasco de manter armas químicas

O chefe do Pentágono, James Mattis, declara que as autoridades da Síria mantiveram uma reserva de armas químicas e advertiu Damasco da sua utilização.

“A comunidade mundial não duvida que o regime sírio preservou armas químicas em violação das suas obrigações e declarações que elas já foram totalmente retiradas do país”, destacou ele na conferência de imprensa em Tel Aviv, Israel.

“Eu posso declarar com certeza que eles preservaram uma reserva … E não os aconselharia a aplicá-las de novo”, adiantou ele.

A oposição síria no dia 4 de Abril anunciou a existência de 80 vítimas mortais e 200 feridos no ataque com utilização de armas químicas na cidade de Han-Sheikun, na província de Idlib. Ela acusou as tropas do governo da Síria, que rejeitaram categoricamente as acusações e colocaram a responsabilidade nos rebeldes e seus patronos. As autoridades da Síria declararam que nunca usaram armas químicas contra civis e terroristas e que todo o arsenal químico foi retirado do país sob o controle da OPAQ.

Anteriormente a OPAQ divulgou uma declaração indicando que as análises biomédicas feitas aos cadáveres de três vítimas do ataque e de setes feridos mostram que as vítimas foram intoxicadas por sarin ou uma substância semelhante.

Os EUA não apresentaram quaisquer provas da implicação dos militares sírios e não seguiram as recomendações da Rússia realizar uma investigação detalhada, tendo atacado a base aérea e Shayrat na noite de 7 de Abril. De acordo com os dados do Pentágono foram lançados 59 mísseis.

Como declarou Assad na entrevista, não foi realizado o ataque químico, mas foi a provocação para justificar o ataque contra a base aérea Shayrat. De acordo com as palavras dele, no vídeo, que foi divulgado pelo grupo “Frente al-Nusra”. E é a base das acusações, foi manifestado que o ataque foi realizado as 6-6:30 da manhã, embora o exército sírio não atacou naquela hora. O vídeo de Han-Sheikun, que foi gravado pelos “Capacetes Brancos” está contradizendo a versão sobre a aplicação do sarin. Assad notou que se fosse aplicado sarin no lugar a onde trabalhou o grupo de resgate sem luvas e mascaras, eles morreriam como outros.

“Então, os números que temos ouvido na media ocidental durante os últimos seis anos não são precisos, é apenas um número empolado só para mostrar o quão horrível a situação [é], para usar isto como um pretexto humanitário para intervir na Síria”, disse Assad. (Sputnik)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »