Administrador da Fundação Champalimaud acusado de corrupção

(António Pedro Santos/LUSA)

De acordo com a revista Sábado, João Silveira Botelho é um dos 31 acusados de terem corrompido 13 funcionários da Autoridade Tributária.

O administrador da Fundação Champalimaud, João Silveira Botelho, está entre os 45 arguidos acusados de corrupção esta semana pelo Ministério Público, escreve a revista Sábado. De acordo com a publicação, João Silveira Botelho é um dos 31 acusados de terem corrompido 13 funcionários da Autoridade Tributária.

Segundo escreve a Sábado, o administrador daquela fundação terá oferecido convites para a cerimónia de entrega do prémio da Fundação Champalimaud e ainda quantias em dinheiro a um funcionário das finanças, Manuel Gonçalves, no sentido de “resolver um problema fiscal da cunhada, Teresa Palmeiro”.

A revista cita a acusação do Ministério Público, onde se pode ler que João Silveira Botelho contactou Manuel Gonçalves em abril de 2015 para saber “como estava a situação da cunhada”. Recebeu, como resposta, a garantia de que o assunto seria tratado. O assunto era uma quantia de cerca de oito mil euros em IVA que não foi declarada e que levaria a um processo de penhora por parte das finanças em 2014.

A verdade é que em agosto de 2014, Teresa Palmeiro, que é também administradora do hospital da Cruz Vermelha, recebeu um reembolso por parte das finanças, depois de ter apresentado uma declaração de substituição. A Sábado acrescenta ainda que dois dias depois o funcionário Manuel Gonçalves recebeu convites para a referida cerimónia de entrega do prémio.

À revista, João Silveira Botelho afirmou que a acusação “não tinha qualquer tipo de explicação razoável” e que “não merece especial importância”. “Não. (Obnservador)

por João Francisco Gomes

DEIXE UMA RESPOSTA