Iraque: projecto de lei propõe incentivo financeiro aos homens por poligamia

(© AFP 2017/ WAKIL KOHSAR)

A deputada iraquiana, Jamila al Abidi, apresentou um polémico projecto de lei, que contempla o pagamento de incentivo financeiro estatal aos homens que casarem com mais de uma mulher.

Segundo a deputada, a medida visa dar apoio à viúvas e mulheres separadas, que já somam 1.5 milhões no país.

A iniciativa provocou uma forte reacção nas redes sociais, dividindo as opiniões no país.

A activista de direitos humanas, Bushra al Abidi, disse à Sputnik que não há necessidade de adoptar novas leis sobre o tema, pois o artigo 188 da constituição de 1959 garante o direito à poligamia. Se um homem pode arcar, financeiramente, com uma segunda esposa, e desde que a primeira esposa não seja contra, não há problemas para consumar esse tipo de matrimonio.

“Quanto à medida em si, que contempla um incentivo financeiro, isso parece muito com comércio de escravos. Uma mulher só aceitaria esse tipo de casamento por necessidade e isso fere a dignidade humana. É preciso solucionar as causas do problemas. Ou seja, é preciso dar às mulheres as oportunidades para ganhar a vida, para que elas não precisem se casar por necessidade financeira”, afirmou Bushra al Abidi.

Segundo a activista, o projecto de lei é eleitoralista e nunca será aprovado na realidade.

A deputada do parlamento iraquiano, Wahda al Jumeili, concorda com a ativista de direitos humanos. Segundo ela, esse tipo de lei não faz sentido, considerando a situação de instabilidade geral no país. Em entrevista à Sputnik, a deputada declarou que todos os esforços da população devem estar voltadas para o desenvolvimento do país após a vitória sobre o Daesh.

Já o ex-diretor do departamento de atenção à família e crianças da Universidade Árabe, Abla Ibrahim, disse que projetos de lei e iniciativas semelhantes são comuns durante longos períodos de guerra. “Propostas semelhantes já surgiram na Europa, durante a Segunda Guerra Mundial”, explicou o académico. (Sputnik)

DEIXE UMA RESPOSTA