Angola assina acordos para sector das minas e águas na China

Ministro das Finanças, Archer Mangueira (arquivo) (Foto: Francisco Miúdo)

Dois acordos ligados aos sectores das minas e do sistema de distribuição de aguas foram rubricados na sexta-feira, em Beijing, pelo ministro das Finanças, Archer Mangueira, e responsáveis de duas instituições financeiras chinesas, soube hoje (sábado) a Angop.

O ministro Archer Mangueira chefia uma delegação multisectorial, que integra os ministros do Interior, Ângelo Veigas, dos Transportes, Augsuto Tomás, da Energia e Águas, João Baptista Borges, e da Construção, Artur Carlos Andrade, para além do administrador do Banco de Desenvolvimento de Angola, Carlos Panzo, e técnicos seniores dos cinco departamentos ministeriais.

Com o Exibank, foi rubricado um acordo de financiamento do Plano Nacional de Geologia (Planageo), avaliado em 76.8 milhoes de dólares, dos quais 65.3 milhões de dólares coberto pelo banco.

Com o Banco de Desenvolvimento da China, o memorando establece o financiamento da construçao do centro de formaçao e treinamento, fornecimento e instalaçao de uma base de dados, projecto pertencente ao Ministério de Energia e Águas, avaliado em 41.5 milhões de dólares, dos quais 35.3 milhões de dólares coberto pelo banco.

A comitiva angolana está a negociar financimentos para o sector privado e acompanhamento de carteiras de projectos em curso no país, no âmbito da linha de crédito da China.

A delegação angolana avalia ainda o grau de cumprimento dos projectos escritos nas várias facilidades financeiras dos diferentes bancos, nomeadamente o Banco de Desenvolvimento da China (CDB), o Banco Industrial e Comercial da China (ICBC), o Banco da China e a companhia de seguros de créditos (Sinosure).

O titular das Finanças fez saber que do total de projectos, enquadrados nas linhas de crédito do Banco de Desenvolvimento da China (CDB) e num valor financiável de 2.4 mil milhões de dólares, o estado angolano já disponibilizu o pagamento adiantado na ordem de mais de quatrocentos milhões de dólares.

Com o Banco da China, a carteira de negócio comprende projectos avaliados em 518 milhões de dólares, dos quais 440 serão cobertos pelo referido banco. Com o Eximbank dos Dois bilhões previstos na carteira de projectos, 1.7 milhoes serão cobertos pelo banco, ao passo que com o ICBC, dos 9.2 milhões previstos, 7.8 serão cobertos por aquela instituiçao financeira chinesa.

A comitiva angolana aproveitou ainda a ocasião para apelar ao bom senso das instituiçoes financeiras chinesas, no sentido de uma assistência na gestão da dívida pública e de uma parceria para financiar projectos do sector produtivo como a industria, agricultura e minas, questões prontamente aceites pelo Banco Industrial e Comercial deste gigante asiatico (ICBC).

O reforço da capacidade produtiva saltou para o topo da agenda do executivo angolano, devido a quebra acentuda dos preços das materias primas, desde 2014 e que deixou o país com dificuldades económicas e financeiras.

Nos últimos meses, as trocas comerciais da China com Angola ascenderam a 2026 milhões de dólares, com a China a vender a Angola produtos no valor de 167 milhões de dólares e a comprar mercadorias, fundamentalmente o petróleo, no valor de 1859 milhões de dólares. (Angop)

DEIXE UMA RESPOSTA