Governo Trump anula medida de Obama que limitava prisões privadas

O presidente americano, Donald Trump (Afp)

O Departamento americano da Justiça anulou uma determinação do governo Barack Obama para pôr fim ao uso de prisões privadas para detidos federais.

O governo dirigido por Donald Trump continua, assim, revendo as medidas essenciais adoptadas pelo governo de seu antecessor.

Em uma carta dirigida ao director da administração penitenciária, o novo secretário da Justiça, Jeff Sessions, disse “ab-rogar” uma circular de Agosto de 2016 do governo Obama intitulada “Reduzir o uso das prisões privadas”.

O governo anterior havia decidido não usar mais essas prisões por causa dos problemas constatados nesses estabelecimentos. A decisão se baseava em um relatório oficial muito criticado, o qual concluiu que as prisões privadas tinham problemas de segurança e de violência e ofereciam menos oportunidades de reinserção.

Já a gestão do republicano não vê com os mesmos olhos as prisões privadas, as quais representam um mercado enorme no país.

A decisão de não recorrer às prisões privadas “dificultava a capacidade de administração de prisões para responder às necessidades futuras do sistema penitenciário federal”, afirmou Sessions em sua carta.

Essa decisão não é uma surpresa: as acções das empresas de prisões privadas dispararam em Wall Street, após a eleição de Donald Trump.

Em 2013, cerca de 30.000 presos federais se encontravam em presídios privados, de um total de 220.000 pessoas. Em 2015, esse número caiu para 22.600 de um universo de 190.000. O objectivo do governo Obama era reduzi-lo ainda mais, até 14.200 detidos antes de 1º de maio de 2017. (Afp)

DEIXE UMA RESPOSTA