Chefe de Estado apela à vigilância nacional para preservação das tréguas políticas

Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique (Miguel Martins/RFI/ARQ.)

O Presidente da República, Filipe Nyusi, apelou sexta-feira da semana finda, em Tete, aos moçambicanos para incrementarem a vigilância na trégua que se observa desde Dezembro último, entre as forças governamentais e a Renamo, o principal partido da oposição.

Discursando no aeroporto de Chingodzi, arredores da cidade de Tete, no início da visita de trabalho de dois dias à região, Nyusi vincou a necessidade de todos os moçambicanos serem vigilantes para se preservar o ambiente da paz que se vive no país.

“Viemos acompanhar o ambiente de paz,” vincou, acrescentando que “queremos confirmar se aqui em Tete está se observando ou não o que falamos com o líder da Renamo (Afonso Dhlakama) sobre a necessidade de se travar as hostilidades militares” disse o Presidente da República, citado pela AIM.

Filipe Nyusi considerou de extremamente importante para a vida dos moçambicanos o fim definitivo da tensão político-militar, com vista a garantir o desenvolvimento do país.

Dirigindo-se a centenas de pessoas que o aguardavam no aeroporto local, não obstante o calor que, na altura, se fazia sentir, Nyusi falou ainda da necessidade dos moçambicanos incrementarem os níveis de produção e produtividade.

“Vim ver se estão a produzir comida, apesar de não estar a chover em algumas regiões do país”, sublinhou.

“Os combatentes libertaram a terra”, vincou, acrescentando que “agora é momento de todos, unidos, trabalharmos para reconstruir o nosso país”.

Nyusi reafirmou a solidariedade para com as vítimas da tragédia de Caphiridzanje, ocorrida ano passado, no distrito de Moatize, na qual morreram mais de 100 pessoas, quando cidadãos drenavam combustível de um camião-cisterna que tinha como destino o Malawi.

Este sábado, último dia de visita de trabalho a Tete, o Presidente da República inaugurou uma unidade de criação de frangos e ovos e reuniu-se com agentes económicos. (Opaís)

DEIXE UMA RESPOSTA