Zimbabwe: Presidente da AN deixa Harare

Fernando da Piedade Dias dos Santos, Presidente da Assembleia Nacional de Angola (Arquivo) (Foto: Lino Guimarães)

O presidente da Assembleia Nacional de Angola e do Fórum Parlamentar da SADC (FP – SADC), Fernando da Piedade Dias dos Santos, deixou a meio da tarde desta segunda-feira a cidade de Harare, capital do Zimbabwe, onde participou na 40ª Assembleia Plenária desse órgão interparlamentar.

O dirigente parlamentar desenvolveu uma intensa actividade na capital zimbabwena, que culminou, neste domingo, com a primeira eleição de Angola à presidência do FP – SADC, 19 anos depois da sua constituição.

Fernando da Piedade Dias dos Santos e o Parlamento Angolano foram eleitos por unanimidade para um mandato de dois anos (2016-2018), em substituição da Tanzânia.

Para a vice-presidência foi eleito o Zimbabwe, numa presidência rotativa que teria a RDC como candidato natural.

Em função da desitência da República Democrática do Congo, Angola avançou com a sua candidatura e mereceu aceitação dos delegados de 13, dos 14 estados membros presentes na 40ª Assembleia Plenária.

Além da participação na 40ª Assembleia Plenária da SADC, cujos trabalhos se encerraram domíngo último, o parlamentar manteve vários encontros bilaterais e multilaterais com homólogos da região.

A derradeira audiência ocorreu nesta tarde, com o presidente do Parlamento do Zimbabwe, Jacob Mudenda.

O Fórum Parlamentar da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC – PF) foi criado em 1997, de acordo com o Artigo 9 (2) do Tratado da SADC como uma instituição autónoma da comunidade.

É um órgão regional interparlamentar composto por 13 parlamentos, que representam mais de 3500 parlamentares na região da SADC.

Estes parlamentos são Angola, Botswana, República Democrática do Congo (RDC), Lesotho, Malawi, Maurícias, Moçambique, Namíbia, África do Sul, Suazilândia, Tanzânia, Zâmbia e Zimbabwe.

O Fórum procura trazer experiências regionais a nível nacional, para promover as melhores práticas no papel dos parlamentos na cooperação e integração regional, tal como delineado no Tratado da SADC e na Constituição do Fórum. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA