Web Summit Lisboa2016: Portugal investe 200 milhões na inovação

(Euronews)

O primeiro-ministro assinalou esta segunda-feira a abertura da primeira edição da Web Summit em Lisboa apresentando Portugal como um país aberto ao exterior, à inovação e aos negócios. O objetivo central do Governo, acrescentou António Costa, será criar um “ecossistema” favorável ao investimento.

Horas antes, num outro evento já no âmbito da Web Summit, o primeiro-ministro anunciou o investimento de 200 milhões de euros do Estado num programa de coinvestimento para empresas inovadoras que precisam de capital de risco, num evento no âmbito da Web Summit.

“O Estado põe 200 milhões de euros mas quem decide a sua aplicação são os investidores internacionais ou nacionais que escolhem as melhores empresas, os melhores projetos, a quem é necessário assegurar ‘venture capital’ [capital de risco] para poderem arrancar e desenvolver a sua atividade”, anunciou António Costa, na sessão de abertura da Venture Summit, no âmbito da Web Summit.

O chefe do executivo defendeu que este instrumento foi criado porque “muitas empresas em Portugal, sobretudo nos setores mais inovadores e mais disruptivos, da robótica à biotecnologia, têm encontrado dificuldades em encontrar financiadores que estejam capacitados e aptos a perceber os novos desafios e as novas oportunidades dos novos negócios”.

“Muitas dessas empresas têm felizmente encontrado financiamento lá fora. Então, percebemos que a melhor forma de apoiar o financiamento era através do coinvestimento e lançámos este programa, ‘o programa 200 M, coinvest with the best’ [investir com os melhores]”, sustentou.

“Esse é o novo instrumento que criámos, porque julgamos que se pusermos o dinheiro acessível às pessoas certas para realizar os projetos certos, nós teremos condições para fazer os melhores investimentos”, reforçou, prometendo: “Queremos fazer melhor, queremos fazer mais rápido, queremos ir mais longe e sabemos que temos muito a aprender”.

A Web Summit é uma conferência global de tecnologia, inovação e empreendedorismo que decorrerá até quinta-feira, onde são aguardados mais de 50.000 participantes, de mais de 165 países, incluindo mais de 20.000 empresas, 7.000 presidentes executivos e 700 investidores.

Entre os oradores, estarão os fundadores e presidentes executivos das maiores empresas de tecnologia, bem como importantes personalidades das áreas de desporto, moda e música.
Joseph Gordon-Levitt deu a conhecer a hitRECord

O ator e empreendedor norte-americano Joseph Gordon-Levitt perspetivou, no arranque da Web Summit, que a próxima geração irá utilizar a tecnologia e a Internet não para socializar, mas para criar e trabalhar em conjunto.

Conhecido sobretudo como ator, Joseph Gordon-Levitt pode ser visto atualmente nas salas de cinema no papel de “Edward Snowden”, o informático que revelou segredos de segurança dos Estados Unidos. No entanto, participa nesta Web Summit enquanto fundador da hitREcord, o projeto colaborativo em torno da criação artística coletiva que fundou há mais de uma década.

A hitRECord funciona como uma comunidade ‘online’, na qual todos os membros podem colaborar no desenvolvimento de um projeto – seja um livro, um filme, uma canção – e no final podem ser remunerados. Em dez anos, o projeto conta com membros de mais de cem países e já permitiu a distribuição de mais de dois milhões de dólares de remunerações.

No Meo Arena, praticamente esgotado e com centenas de espectadores a partilharem em direto e em simultâneo ‘online’ tudo o que se passou na abertura, Joseph Gordon-Levitt disse que o futuro da utilização da Internet poderá ser mais colaborativo e menos narcisista.

“Atualmente só se pensa isoladamente. Ali [no hitRECord] é tudo colaborativo, tudo é feito para facilitar o trabalho em conjunto. (…) Claro que sabe bem ser pago, mas as pessoas interessam-se mais em fazer parte de uma comunidade, sincera, participativa. Faz-nos sentir bem”, disse.

O ator e empreendedor acredita que a próxima geração de utilizadores da Internet fará também esse caminho de colaboração: “Vão fazer em conjunto aquilo que não conseguiriam fazer sozinhos”.

Gordon-Levitt considera que tecnologia só é boa ou má dependendo de quem a usa. Afirmando que “é preciso ser muito otimista nos dias de hoje”, o ator acredita que, no futuro, a tecnologia irá proporcionar mais liberdade e melhores condições para viver. (Euronews)

Texto: Lusa (PMF/ ACL/ SS)
Edição: Francisco Marques

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA