Promotores da ‘Lava Jato’ pedem apoio contra tentativas de socavar investigação

O procurador-geral da República Deltan Dallagnol, coordenador da Lava-Jato, em coletiva de imprensa em Curitiba, no dia 6 de maio de 2016 (Afp)

Os promotores que investigam o esquema de corrupção na Petrobras denunciaram nesta sexta-feira tentativas do Congresso para deter as investigações sobre o escândalo e pediram o apoio da sociedade para não serem “derrotados”.

“Seremos derrotados se a sociedade não estiver do nosso lado”, afirmou em Curitiba o chefe da força-tarefa que conduz as investigações da Lava Jato, o procurador da República Deltan Dallagnol.

Os pedidos dos membros do Ministério Público ocorreram durante a cerimônia de devolução de 204 milhões de reais à petroleira, recuperados de esquemas de corrupção, às vésperas de uma polêmica votação na Câmara dos Deputados.

Uma comissão parlamentar especial tem previsto discutir na terça-feira um pacote de medidas anti-corrupção, impulsionado pelos promotores e apoiado por dois milhões de assinaturas.

Mas, paradoxalmente, a iniciativa poderia abrir a porta para uma autoanistia de “Caixa 2”, doações de campanha não declaradas que costumam encobrir crimes graves, como lavagem de dinheiro.

Se for transformada em lei, a nova tipificação do “Caixa 2” em um “delito mais robusto” eximiria de culpa e acusação quem está agora na mira da Justiça porque nenhuma lei pode ser aplicada retroativamente, pelo menos segundo uma interpretação que ganha força no Congresso.

“O problema aqui é que os corruptos têm muito poder. Uns poucos roubaram muito, de muitos”, disse Dallagnol em seu discurso.

Durante a cerimônia, os representantes do Ministério Público entregaram ao presidente da Petrobras, Pedro Parente, o documento que credencia a reintegração dos 204 milhões de reais, a terceira e maior devolução de recursos para a estatal no âmbito da Operação Lava Jato. (Afp)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA