Portugal procura parceiros chineses diante da crise em Angola

(DW)

A crise económica e financeira em Angola levou a um abrandamento nos investimentos angolanos em Portugal. Portugal volta-se agora para um novo parceiro: a China.

Portugal procura parceiros chineses diante da crise em Angola

A crise económica e financeira em Angola levou a um abrandamento nos investimentos angolanos em Portugal. Portugal volta-se agora para um novo parceiro: a China.

O grupo chinês Fosun obteve “luz verde” da administração do Banco Comercial Português (BCP) para subscrever um aumento de capital no banco. A companhia asiática passou a ser o acionista maioritário do maior banco privado português, com 16,7% do capital, afastando a petrolífera angolana Sonangol para a posição de segundo maior acionista.

Os chineses começam a ser considerados os novos donos de Portugal, pela dimensão que estão a conquistar no capital social de empresas estratégicas portuguesas. Já investiram cerca de 12,5 mil milhões de euros em várias áreas importantes, em particular no setor energético e na banca.

Entretanto, o investimento angolano perdeu pujança com a queda do preço do petróleo no mercado internacional, diz Anabela Campos, uma das autoras do livro “Negócios da China”, lançado esta segunda-feira (21.11) na capital portuguesa.

“O facto de o petróleo ter desvalorizado mais de 50% nos últimos anos fez com que houvesse menos recursos financeiros em Angola para investir noutros países.” Empresários como Isabel dos Santos continuam a investir, “mas menos do que no passado”, afirma a jornalista.

Vender Portugal?

No novo livro, as autoras Anabela Campos e Isabel Vicente analisam a alienação das principais empresas de bandeira nacional – em Portugal, companhias estratégicas passaram a ser controladas por capital estrangeiro, como acontece com a elétrica EDP, a REN (empresa de distribuição de eletricidade) e o BCP.

“Tentamos fazer com que se reflita um pouco no que fizemos às nossas grandes empresas. E constatamos que tudo isto acontece também porque as nossas empresas e os nossos empresários estavam muito endividados”, explica Vicente.

“Como a banca foi um dos setores que teve de fazer grandes cortes nos investimentos e na concessão de créditos, não foi possível continuar a emprestar dinheiro aos empresários para entrarem nas empresas, que foi o que aconteceu durante muitos anos.”

Angola vs. China

As autoras consideram que, em alguns negócios, o investidor chinês poderá substituir o angolano, embora isso ainda não seja certo. Há, entretanto, o exemplo do banco Millennium BCP.

“No caso do BCP, parece-nos que houve algum consenso entre os investidores chineses da Fosun, que vão entrar, e os investidores de referência angolanos, da Sonangol, presidida por Isabel dos Santos”, sugere Vicente.

“Está a haver alguma cooperação para haver algum equilíbrio de forças entre as posições que ambos têm no BCP. Isso seria o ideal. O BCP procurava há muito um parceiro e investidor estratégico, porque precisava. Provavelmente, a Sonangol não poderia já investir tanto no BCP como fez até agora.”

Admite-se que a China também poderá tornar-se acionista da petrolífera portuguesa Galp, onde a congénere angolana Sonangol também é parceira.

A China, adianta Anabela Campos, começa a ser vista como um dos novos donos de Portugal, tal como se dizia antes em relação a Angola, quando empresas angolanas começaram a adquirir ações no mercado português.

As autoras de “Negócios da China” questionam no livro se essa posição resulta de uma estratégia dos governantes portugueses. E perguntam: que estratégias têm os investidores estrangeiros para as empresas portuguesas? Serão estratégias de longo prazo? “No caso do investimento angolano, ele tem permanecido cá, tem sido reinvestido. No caso do investimento chinês, […] a geração de valor que está a ser criada é para que as empresas possam investir com os seus próprios recursos, porque escolheram boas empresas”, diz a autora.

Ainda é cedo, porém, para responder a todas as questões levantadas pelo livro. Só o tempo dirá, concluem as jornalistas do semanário português “Expresso”. (DW)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA