Netanyahu sabe como resolver o conflito com os palestinianos

Benjamin Netanyahu (DR)

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, constatou haver uma atitude menos negativa em relação ao Estado judeu no mundo árabe e mostrou a esperança de que a aproximação com os vizinhos na região ajude a alcançar a paz com os palestinianos.

O conflito não resolvido, segundo ele, não impediu muitos países do Médio Oriente de verem Israel como um aliado importante na luta contra a expansão do islamismo radical e do Irão na região.

“Estou mais optimista do que nunca. Se na altura dizíamos que um grande avanço nas relações com os palestinianos levaria a uma paz duradoura com os países árabes, agora eu acho mais provável que *a paz seja alcançada* da maneira oposta”, — disse o chefe do governo em uma reunião com o presidente italiano Sergio Matarella.

“Não é a paz com os palestinianos que trará a paz com os países árabes, será o fortalecimento das relações com o mundo árabe que levará à paz com os palestinianos”, — disse Netanyahu.

A posição oficial do mundo árabe se reflectiu na proposta de normalizar as relações com Israel em troca da retirada dos territórios ocupados no fim da guerra de 1967, e da solução do problema dos milhões de refugiados palestinianos.

“A grande notícia, notícia incrível, notícia que me enche de esperança, reside no fato de que o mundo árabe está passar por grandes mudanças — muitos dos países árabes deixam de considerar Israel como inimigo e entendem que é um aliado, um aliado vital mesmo na luta contra o terrorismo islâmico, o Islão militante, liderado pelo Irão ou Daesh”, — disse Netanyahu.

O primeiro-ministro não nomeou os países que começaram a encarar Israel como um aliado. Tradicionalmente, Jerusalém deposita as principais esperanças de aproximação, baseadas nas ameaças comuns, nas monarquias sunitas do Golfo Pérsico.

No mundo árabe só a Jordânia e o Egito têm relações diplomáticas com Israel. No final do ano passado Tel Aviv também abriu sua representação oficial na sede da Agência Internacional de Energias Renováveis nos Emirados Árabes Unidos. (Sputnik)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA