Lunda-Norte: Dundo tem fornecimento de electricidade mais regular

Linhas de alta tensão de energia (Foto: Pedro Parente)

O sector de energia na província da Lunda-Norte beneficiou do reforço no fornecimento de electricidade, o que permite abastecer de forma regular os consumidores da cidade do Dundo e da Nova Centralidade.

O reforço no abastecimento resulta da instalação da central térmica de 30 megawatts, que tem por objectivo exclusivo fornecer energia à Nova Centralidade e reforçar o fornecimento à “velha” cidade do Dundo.

“O funcionamento da central térmica junta-se à operatividade da hidroeléctrica do Luachimo, cujo arranque data desde 1957”, referiu o director provincial do sector, André Camilo.

Apesar deste esforço, o responsável afirma haver dificuldades nos restantes nove municípios, em virtude de serem alimentados por grupos geradores.

As dificuldades prendem-se com a manutenção, operação e escassez de combustível nestes locais, o que condiciona o funcionamento regular dos geradores.

Para ultrapassar esta situação, o Governo Provincial da Lunda-Norte prevê a construção de nova central hidroeléctrica no Luachimo, que poderá abastecer os municípios do Tchitato, Cambulo e Lucapa.

O abastecimento deverá ser feito por via de uma linha de alta tensão, numa superfície de 228 quilómetros, que vai passar pelas vilas do Fucauma, Cassanguidi, Luxilo, Nzanji (município do Cambulo), Lucapa e Calonda.

Perspectivas do sector

Para os municípios da zona Sul da província, há a perspectiva da construção de uma barragem hidroeléctrica no rio Cuango.

No sentido de se concretizar o projecto, foram realizados estudos de viabilidade que aguardam pela abertura de concurso público.

Segundo André Camilo, a central hídrica vai permitir o abastecimento aos municípios do Cuango, Capenda Camulemba, Xa-Muteba e Caungula.

Tendo em conta a aposta do Governo em energias renováveis, o responsável afirmou que a construção de barragens, com recurso à fonte hídrica, é fundamental ao equilíbrio ambiental, pois se aproveita a água disponível.

Na sequência deste processo, o sector de energia está a proceder ao levantamento dos cursos de água existentes na região, o que permitiu identificar, entre outros, as Quedas do Vuca e Sahundo, nos rios Cuango e Cuilo, respectivamente.

A população beneficiária está estimada em 430 mil habitantes, dos quais 330 mil no meio urbano e 100 mil no meio suburbano, com uma taxa de cobertura na ordem dos 53,75 porcento.

Principal fonte de abastecimento

As principais fontes de abastecimento de energia eléctrica na Lunda-Norte, em particular no município-sede (Tchitato), são de origem térmica (grupos geradores) e de origem hídrica (barragem hidroeléctrica do Dundo).

As referidas infra-estruturas recebem assistência técnica da Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE) e da Empresa Pública de Produção de Electricidade (PRODEL).

André Camilo referiu que, para a iluminação pública às artérias da cidade do Dundo e vilas, o Governo cingiu a aposta na energia por sistema solar fotovoltaico (painéis), com incidência para os municípios do Tchitato, Cambulo e Lucapa. Em estudo, está a viabilidade para a implementação do mesmo nalgumas instituições públicas e privadas.

ENDE estabiliza abastecimento

Para o delegado provincial da ENDE, José Bravo da Rosa, a cidade do Dundo possui uma rede estável. “Isso não significa a inexistência de problemas próprios da rede”, salientou.

O responsável acrescentou tratar-se de situações resolvidas em tempo oportuno.

A ENDE, particularmente no Tchitato, município onde está concentrada a maior acção da empresa na Lunda-Norte, tem pelo menos 17 mil clientes.

A par dos actuais clientes registados, José Bravo da Rosa considera haver mais outros por registar. “Existem até ao momento clientes que não celebram os contratos, mas que beneficiam dos serviços da empresa”, fez saber.

Para colocar os referidos beneficiários em harmonia com os contratos, a instituição tem em curso um processo de educação porta-a-porta e nos meios de comunicação.

Assim como no município do Tchitato, a ENDE controla os grupos geradores em Cambulo e Lucapa /Calonda. A perspectiva da empresa é alargar os serviços para o Sul da província da Lunda-Norte.

A força de trabalho da empresa na região é dominada por 112 trabalhadores, maioritariamente locais.

Gestão de fontes de energia pela PRODEL

A PRODEL é a empresa que gere as principais fontes de energia, tais como: a central hídrica do Luachimo e a central térmica do Dundo.

Osvaldo Romeu, coordenador do núcleo de operação, afirmou haver uma produção que satisfaz os clientes do Dundo e dos arredores.

Implantada na província há dois anos, possui 25 trabalhadores recrutados localmente. A expansão da rede deverá ditar novos recrutamentos.

Pré-pago, uma nova aposta

O sistema pré-pago é um processo novo na cidade do Dundo, implementado para responder às inquietações dos clientes em relação ao anterior método de cobrança da tarifa de electricidade.

A nível da Lunda-Norte, o sistema pré-pago iniciou nas áreas cujas condições permitiam o arranque do processo, entre as quais, a Centralidade do Dundo. A iniciativa deverá estender-se a outras localidades.

População realça fornecimento de energia

Em declarações à Angop, os munícipes foram unânimes em afirmar que o fornecimento de energia eléctrica na cidade do Dundo e arredores melhorou durante os dois anos de existência da central térmica, ao contrário dos cortes verificados no passado.

Celsa Muquendi, funcionária pública, informou que o fornecimento de energia na centralidade tem sido favorável, apesar das falhas registadas nalguns casos.

Fernando Cavula, também funcionário público, afirma que já não se verificam cortes de energia como no passado, mas alertou que o actual problema se prende com a má prestação dos técnicos do sector. (Angop)

por Sónia Ferry

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA