Huambo: Reclusos concluem formação técnico-profissional

Huambo: RECLUSOS TERMINAM FORMAÇÃO (Foto: EDILSON DOMINGOS)

Cinquenta e três reclusos a cumprirem penas diversas no estabelecimento prisional da província do Huambo concluíram quinta-feira, cursos de alvenaria, marcenaria, carpintaria e canalização.

Promovida pelo Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional (INEFOP), os cursos duraram seis meses.

Na mensagem de fim do curso, apresentada no acto de encerramento, orientado pelo director adjunto do estabelecimento prisional, sub-inspector prisional José Carlos Vaz Dias dos Santos, os formados destacaram o esforço do Governo no melhoramento das condições de vida da população reclusa.

Os finalistas, que também receberam os respectivos certificados, sublinharam o empenho do Governo, em particular da Delegação local do Ministério do Interior, na promoção dos valores cívicos, morais e éticos, através de ensinamentos técnico-profissionais, a fim de torná-los homens dignos e úteis à sociedade, após o cumprimento das penas.

Na sua intervenção, o director adjunto da Comarca, sub-inspector prisional José Carlos Vaz Dias dos Santos, enalteceu o empenho dos formadores na transmissão dos conteúdos teóricos e práticos, que permitiu, por sua vez, uma maior absorção dos conhecimentos por parte dos formandos.

Fruto disso, sublinhou o responsável, os recém-formados estão em condições de ser inseridos no mercado de trabalho, depois do cumprimento das penas, tendo em vista a sua reintegração na sociedade e contributo no desenvolvimento económico e social do país.

Afirmou que a formação da população reclusa resultou de um acordo de cooperação entre as direcções do Serviço Penitenciário e do Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional, com a qual reafirma a necessidade de continuar a trabalhar para a formação técnico-profissional da população carcerária, de modo a habilitá-la de artes e ofícios.

Encontram-se na comarca, inaugurada em 2012, 1.207 cidadãos em conflito com a lei, entre detidos e condenados, dos quais 28 mulheres. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA