Hoje é Dia Mundial de Combate a Diabetes

(DR)

Assinala-se hoje, 14 de Novembro, o Dia Mundial de Combate a Diabetes, definido pela Federação Internacional contra as Diabetes (IDF), entidade vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS).

A data é comemorada anualmente com o objectivo procurar aumentar o conhecimento sobre esta doença, das suas taxas a nível mundial e a forma de prevenção da doença na maioria dos casos.

Este Dia é celebrado a 14 de Novembro para assinalar o aniversário de Frederick Banting, que juntamente com Charles Best desempenhou um papel crucial na descoberta da insulina, em 1922, a substância que permite salvar a vida dos doentes com diabetes.

A diabetes é uma doença crónica que se caracteriza pelo aumento dos níveis de açúcar (glicose) no sangue e pela incapacidade do organismo em transformar toda a glicose proveniente dos alimentos.

A quantidade de glicose no sangue chama-se glicemia e quando esta aumenta diz-se que o doente está com hiperglicemia.

Dados publicados este ano pela OMS estimam que cerca de 422 milhões de adultos no Mundo viviam com diabetes em 2014, quatro vezes mais do que em 1980.

No mesmo período, informa o relatório, a prevalência da diabetes quase duplicou, de 4,7% para 8,5% da população adulta, o que reflecte um aumento dos factores de risco associados, como o excesso de peso e a obesidade. Segundo os dados disponíveis no documento, na última década a prevalência da diabetes aumentou mais nos países de médio e baixo rendimento do que nos países ricos.

O que é a diabetes?

É uma disfunção do metabolismo, ou seja, do jeito com que o organismo usa a digestão dos alimentos para crescer e produzir energia. A maioria das comidas que comemos é quebrada em partículas de glicose, um tipo de açúcar que fica no sangue. Esta substância é o principal combustível para o corpo.

Depois da digestão, a glicose passa para a corrente sanguínea, onde é utilizada pelas células para crescer e produzir energia. No entanto, para que a glicose possa adestrar as células, ela precisa da ajuda de uma outra substância, a insulina.

A insulina é uma hormona produzida no pâncreas, uma grande glândula localizada atrás do estômago. Quando nos alimentamos, o pâncreas produz automaticamente a quantidade certa de insulina necessária para mover a glicose do sangue para as células do corpo.

Nas pessoas com diabetes, o pâncreas produz pouca insulina ou então as células não respondem da forma esperada à insulina produzida.

O que acontece? A glicose do sangue vai directa para a urina sem que o corpo se aproveite dela. Ou então fica no sangue, aumenta o que se chama de glicemia e também não é aproveitada pelas células.

Quais os tipos existentes de diabetes?

Diabetes tipo 1

Este tipo de diabetes é auto-imune. Significa que o sistema que seria responsável por defender o corpo de infecções (o sistema imunológico) actua de forma contrária e acaba lutando contra uma parte do próprio organismo. Na diabetes, por exemplo, o sistema imunológico ataca as células do pâncreas responsáveis pela produção de insulina, matando-as. Assim, este órgão passa a produzir pouca ou nenhuma insulina. Por conta disso, quem tem diabetes do tipo 1 deve tomar insulina todos os dias.

Diabetes do tipo 2

Esta é a forma mais comum da diabetes. Entre 90% a 95% das pessoas que são diagnosticadas com esta doença tem o tipo 2. Este tipo de diabetes está associado à velhice, obesidade, histórico da moléstia na família e de diabetes gestacional, além do sedentarismo. Nada menos do que 80% das pessoas que têm diabetes tipo 2 estão acima do peso ideal.

Por causa do aumento da obesidade entre crianças e adolescentes, já que as dietas de hoje em dia não são nada saudáveis, esta doença tem aumentando nestas faixas etárias. Nesta doença, quase sempre o pâncreas produz a quantidade suficiente de insulina, mas, por razões desconhecidas, o corpo não consegue utilizar esta substância de forma efectiva.

A este problema dá-se o nome de resistência à insulina. Depois de alguns anos de resistência, a produção desta substância acaba diminuindo. O resultado é o mesmo da diabetes do tipo 1: a glicose produzida na digestão não é utilizada como combustível pelo corpo.

Este tipo de diabetes pode causar sérias complicações. Por isso, é muito importante reconhecer os sintomas desta doença. Eles desenvolvem-se de forma gradual. Ao contrário do que ocorre na do tipo 1, eles não aparecem repentinamente. Mas podem ser bastante parecidos e são reflexos do aumento da quantidade de açúcar no sangue

Causa cansaço extremo, náusea, aumento da quantidade de urina, sede além do normal, perda de peso, visão embaçada e infecções frequentes. Há outros sintomas menos frequentes e mais graves: dificuldade de curar cortes, coceira na pele, perda da visão e impotência. Algumas pessoas, no entanto, não apresentam sintomas.

Diabetes gestacional

É uma doença caracterizada pelo aumento do nível de açúcar no sangue que aparece pela primeira vez na gravidez. Este problema acontece em cerca de 4% das mulheres que ficam grávidas. Ela pode desaparecer depois do parto ou transformar-se numa diabetes do tipo 2. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA