Fracasso do diálogo na Venezuela pode causar derramamento de sangue (enviado papal)

O arcebispo Claudio María Celli (E) e o presidente Nicolás Maduro, em Caracas, no dia 31 de Outubro de 2016 (Afp)

Um eventual fracasso do diálogo político entre governo e oposição na Venezuela, com o apoio do Vaticano, pode ocasionar derramamento de sangue, alertou neste sábado ao jornal argentino La Nación o enviado do papa Francisco, arcebispo Claudio María Celli.

“Se por caso uma delegação ou a outra quiserem acabar com o diálogo, não é o papa, mas o povo venezuelano que vai perder, porque o caminho poderá verdadeiramente ser o do sangue”, disse o sacerdote.

As negociações entre governantes e opositores transcorrem com dificuldades que ameaçam uma rápida solução para a crise venezuelana. Os primeiros dias de trégua, com insultos e posturas irreconciliáveis em torno da saída do chavismo do poder complicam o panorama.

As partes voltarão a reunir-se em 11 de Novembro. Em meio a uma grande crise interna, a oposição exige um referendo revogatório do mandato do presidente Nicolás Maduro.

“Tem gente que não tem medo de que haja derramamento de sangue. Isto é o que me preocupa. (O papa) Francisco está desempenhando um papel muito forte. Corremos um risco. Vamos ver, que Deus nos ajude”, pediu o arcebispo, em Roma, após retornar de uma visita a Caracas.

Celli disse que “é o povo venezuelano que se afunda mais”. “Quando me reuni com os representantes da oposição, na manhã de segunda-feira, disse-lhes claramente: ‘Meu medo é que haja mortos na manifestação de quinta-feira. E se houver mortos, o diálogo, que diálogo é esse?’. A oposição reflectiu e, graças a Deus, suspenderam esta manifestação”, relatou.

O enviado revelou que na primeira reunião com Maduro, o presidente lhe garantiu: “Prometi ao papa que vou dialogar e cumprirei minha promessa”. Celli contou que na segunda reunião com o presidente, disse a Maduro: “Senhor presidente, esta manhã me encontrei com a oposição e há três pedidos. Deve dar sinais e estes não necessitam tempos bíblicos. Deve dar sinais de que o diálogo é o único caminho”.

Consultado sobre como encontrou o país, respondeu que “não há dúvidas de que a situação está muito feia. Não somente em nível político, mas em nível social, económico. Não há comida, não há medicamentos. É inegável que o país está enfrentando uma situação muito difícil”.

Ao ser questionado sobre se o Vaticano considera a missão uma mediação, Celli respondeu que não. “A Santa Sé acompanha”. “As partes compreendem que ou escolhem o caminho da violência ou escolhem o caminho do diálogo”, declarou. (Afp)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA