Europa quer “conhecer as políticas” de Donald Trump

União Europeia (UE) (DR)

Chefe da diplomacia dos 28 disse, antes do conselho de ministros dos Negócios Estrangeiros, que a União Europeia está determinada na aplicação do acordo de Paris, sobre as alterações climáticas, e na proteção do acordo nuclear iraniano.

A União Europeia mostrou-se unida sobre a necessidade de reforçar os laços com os Estados Unidos, depois da vitória de Donald Trump nas presidenciais, disse no domingo à noite a chefe da diplomacia dos 28, Federica Mogherini.

“Posso dizer que há unidade entre os 28 quanto à necessidade, em primeiro lugar, de continuar a trabalhar no reforço das relações transatlânticas”, declarou a Alta Representante da UE para a Política Externa à imprensa, depois do jantar informal de chefes da diplomacia, que antecede o Conselho de Ministros dos Negócios Estrangeiros, nesta segunda-feira, em Bruxelas.

A UE e os Estados Unidos são parceiros e vão continuar a ser parceiros, e no que nos diz respeito, tendo como base os nossos valores, princípios e interesses”, acrescentou.

Mogherini disse que os responsáveis europeus “partilharam ideias, mas todos estiveram de acordo em ser preciso conhecer as políticas da próxima administração” norte-americana, que “ainda devem ser definidas”.

A responsável italiana sublinhou que os ministros defenderam “a necessidade de reforçar a unidade europeia em algumas questões-chave que serão ainda mais cruciais nos próximos meses”.

Federica Mogherini destacou o trabalho no sistema multilateral.

[Para a UE] é extremamente importante trabalhar na aplicação do acordo sobre alterações climáticas, mas também na não-proliferação e na proteção do acordo nuclear iraniano”, questão que responde também a uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, disse.

A chefe da diplomacia europeia sublinhou que a UE “vai continuar a trabalhar com a atual administração” norte-americana, mas “vai também preparar o terreno para a mudança em janeiro”.

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, vai tomar posse a 20 de janeiro.

Unidade e consenso sobre a necessidade de desenvolver estas duas vias: investir numa associação forte UE-Estados Unidos, que é preciso proteger e manter, mas também reforçar as políticas e ações europeias de forma independente”, resumiu.

A responsável afirmou esperar visitar “em breve” Washington e também receber o futuro secretário de Estado norte-americano “num Conselho de Assuntos Externos”.

Mogherini referiu também a cooperação e “a partilha” da responsabilidade entre Estados-membros na questão da imigração. Sobre a relação com a Rússia, afirmou que a UE vai manter a mesma posição de recusa da anexação da península ucraniana da Crimeia, ao mesmo tempo que serão desenvolvidos “compromissos seletivos” em assuntos como a luta contra o terrorismo ou a crise na Líbia.

“Não é branca e preta” a relação com a Rússia, sublinhou.

Todos os Estados-membros estiveram representados, à exceção do ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Jean-Marc Ayrault, que recebe esta manhã, em Paris, o próximo secretário-geral da ONU, António Guterres, lembrou Federica Mogherini.

Em relação ao chefe da diplomacia britânica, Boris Johnson, que também não esteve presente, Mogherini considerou “ser normal” para um país que decidiu abandonar a UE “não estar interessado na discussão do futuro das relações com os Estados Unidos”. (Tvi24)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA