Estratégias do Executivo para saída da crise com resultados positivos

Manuel da Cruz Neto, ministro e Chefe da Casa Civil da Presidência da República. (Foto: Angop)

As estratégias para a saída da crise adoptadas pelo Executivo angolano, têm vindo a produzir resultados positivos, permitindo desenvolver competências, para a médio prazo, encontrar alternativas ao petróleo, como principal fonte de receita fiscal, disse em Luanda, o ministro e chefe da Casa Civil do Presidente da República, Manuel da Cruz Neto.

A grande aposta do titular do Poder Executivo assenta no desenvolvimento do sector produtivo, com vista ao aumento da produção interna, redução das importações e o aumento das exportações através de um apoio dirigido ao sector privado, sublinhou Manuel da Cruz Neto na cerimónia de abertura do  Fórum de Investimento Angola – China,

Esta aposta,  referiu, assenta igualmente na programação do pagamento da dívida pública e no novo ciclo económico de estabilidade não dependente do petróleo e, neste sentido,  o Executivo angolano tem vindo a estimular, agilizar e aprovar os investimentos provenientes da China.

“Temos que prosseguir na reabilitação e na construção de estradas, pontes, escolas, hospitais e no  aumento de espaços habitacionais. Para a concretização destes programas, o Executivo angolano pretende contar com a cooperação e a ajuda da República Popular da China”, sublinhou.

Referiu  ainda, que o Fórum de Investimento Angola – China é uma consequência lógica das excelentes relações que existem entre os dois países, visando reforçar ainda mais os laços de amizade que datam de muitas décadas entre os povos, que de forma recíproca têm sabido brindar a sua solidariedade, principalmente nos momentos mais difíceis da história.

O evento que vai decorrer até terça-feira ( 8),  conta com a presença de mais de 400 empresários chineses, que vão assinar acordos de intenção para tramitação das propostas de investimento com os empresários nacionais.

O Fórum de Investimento Angola -China foi organizado pela Casa Civil do Presidente da República e o Ministério do Comércio da China, em parceria com a Unidade Técnica para o Investimento Privado (UTIP). (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA