Espectáculo de Luaty Beirão e MCK impedido em Luanda

O rapper e ativista Luaty Beirão (DW)

Agentes da Polícia Nacional de Angola retiram licença ao Cine Tivoli, em Luanda, onde está previsto para a noite deste domingo (06.11) um concerto do rapper e activista luso-angolano Luaty Beirão com o músico MCK.

Luaty Beirão, um dos 17 ativistas condenados por rebelião em Angola em março deste ano, informou a agência Lusa de que ele e o músico MCK, seu parceiro neste espetáculo, receberam “uma chamada da senhora do Cine Tivoli a dizer que a polícia foi lá e tirou, abusivamente e sem nenhum mandado, a licença”.

Considerando que este ato foi feito de forma ilícita o rapper Ikonoklasta – nome pelo qual Luaty é conhecido no universo musical – afirma que irão “falar com o pessoal do espaço e vamos continuar a apelar às pessoas para irem [ao espetáculo], até que nos apresentem um documento com a proibição”.

De acordo com o músico, os moldes em que o espetáculo se poderá realizar ainda não são conhecidos, mas mantém-se agendado para domingo, às 20h15m, hora local.

Luaty Beirão acredita que este é um boicote ao evento e uma forma de intimidar as pessoas, ao pedirem “um monte de documentos”. “A polícia retirou a licença do espaço Tivoli, mas enquanto o faziam, decorria, ao mesmo tempo, um evento infantil no local”, observou o rapper.

O concerto de Ikonoklasta e MCK, ambos conhecidos pela música de intervenção, estava inicialmente previsto para este sábado (05.11) à noite, no Chá de Caxinde, outra sala no centro da capital angolana. No entanto, os proprietários recuaram e acabaram por não permitir a sua realização, de acordo com os músicos. “Disseram-nos que podíamos divulgar e, no dia seguinte, informaram-nos de que o ‘show’ não ia poder acontecer ali”, disse Luaty Beirão à Lusa.

O rapper e ativista angolano, de 34 anos, é uma das vozes mais ativas contra o regime do Presidente angolano, José Eduardo dos Santos. Foi condenado em março deste ano, no mediático processo “15+2”, a cinco anos e meio de prisão por atos preparatórios de rebelião, associação de malfeitores e falsificação de documentos. Os 17 ativistas acabariam por ser libertados em junho, pelo Tribunal Supremo, depois de um recurso apresentado pela defesa.
Leia mais
“Em Angola, ninguém está em liberdade”, diz Luaty Beirão

Luaty Beirão deixou a prisão há dois meses. Em entrevista exclusiva à DW África, o rapper e ativista angolano recusa uma amnistia e diz que pretende ir até à última instância para provar que está inocente. (29.08.2016)
“Manifestações espontâneas” em Luanda para pedir libertação de ativista

Ativistas angolanos anunciarm a intenção de realizar “manifestações espontâneas” em Luanda para reivindicar a libertação de ‘Dago Nível Intelecto’. (14.10.2016)
Em Angola: “Revús” assinam petição de rejeição da Lei da Amnistia

A Lei da Amnistia em Angola também contempla os 17 ativistas condenados a penas de prisão por crimes de atos preparatórios de rebelião e associação de malfeitores. Mas, em petição, os “revús” rejeitam ser amnistiados. (13.10.2016)
Luaty Beirão pede processo disciplinar contra polícias que levaram mulher

Luaty Beirão e a esposa Mónica Almeida oficializaram a queixa contra agentes da polícia angolana que a interpelaram na sexta-feira. Autoridades dizem que a atitude policial foi um engano. O ativista fala em perseguição. (DW)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA