Embaixador confirma operacionalização das linhas de crédito Brasil – Angola

Presidente da República, José Eduardo dos Santos (à dir.), acredita embaixador do Brasil em Angola, Paulino Franco de Carvalho Neto (Foto: Francisco Miúdo)

As linhas de crédito do Brasil para Angola estão a ser operacionalizadas, através de entendimentos e conversas, entre os ministérios angolano das Finanças e brasileiro da Fazenda, anunciou nesta segunda-feira, em Luanda, o embaixador Paulino Franco de Carvalho Neto.

Paulino Franco de Carvalho Neto apresentou as suas cartas credenciais como embaixador do Brasil em Angola ao Chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, iniciando, deste modo, as suas actividades diplomáticas.

No final da audiência a si concedida pelo Presidente da República, na sequência da acreditação, o diplomata disse aos jornalistas que na verdade, “as linhas de crédito para Angola nunca foram fechadas”.

“Vamos continuar a estar presentes em Angola, seja através de investimentos directos brasileiro, seja de financiamento a importação de bens e serviços” explicou Paulino Franco de Carvalho Neto, tendo informado ser esta a mensagem transmitida ao Presidente José Eduardo dos Santos, da parte do Presidente brasileiro, Michel Temer.

“Portanto, Angola pode contar com o governo brasileiro. Não há nenhuma dúvida quanto a isso”, acrescentou o diplomata.

O embaixador frisou que as autoridades do Brasil vão seguir a sua linha e que os financiamentos continuarão a ser providos, não só a Angola, mas a outros países.

Paulino Franco de Carvalho Neto é ministro de primeira classe da carreira diplomata do Ministério das Relações Exteriores do Brasil. Nasceu em 13 de Fevereiro de 1961, em Curitiba, ingressou na carreira diplomática em 1986 e já exerceu importantes postos.

O Brasil foi o primeiro país a reconhecer a independência de Angola, proclamada 11 de Novembro de 1975.

Os dois países mantêm estreitas relações político-diplomáticas e de amizade, com importantes investimentos, destacando a presença da petrolífera angolana Sonangol no Brasil e de empresas brasileiras dos mais variados sectores, com realce para o da construção, em Angola. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA