Disputa acirrada entre Hillary e Trump pela Presidência dos EUA abala mercados

Craig Erlam, analista de mercado da Oanda (SkyNews)

Enquanto a democrata Hillary Clinton e o republicano Donald Trump apresentam os argumentos finais antes da eleição presidencial norte-americana da semana que vem, os mercados financeiros foram abalados nesta quarta-feira por pesquisas de intenção de voto mostrando uma disputa cada vez mais apertada para a Casa Branca.

Apesar de a maior parte dos levantamentos nacionais ainda apontar uma vitória de Hillary, a candidata democrata perdeu a vantagem confortável que tinha no fim do mês passado, e investidores estão a começar a considerar a possibilidade de o empresário republicano de Nova York arrancar uma vitória 8 de Novembro.

Acções globais, o dólar e o preço do petróleo caíram nesta quarta-feira, enquanto activos seguros como o ouro e o franco suíço subiram, à medida que investidores se mostraram nervosos sobre a campanha.

“A expectativa sempre foi que os preparativos para as eleições presidenciais seriam intensos, mas os eventos dos últimos dias têm seriamente afectado o sentimento dos investidores”, afirmou Craig Erlam, analista de mercado da Oanda, em Londres.

A ansiedade dos investidores se aprofundou nas últimas sessões por conta de uma possível vitória de Trump, dada a incerteza sobre a sua posição em relação a temas como política externa, relações comerciais e imigrantes. Hillary é vista pelos mercados como a candidata do status quo.

Trump, que nunca havia concorrido a um cargo electivo, tem feito uma campanha heterodoxa, com propostas de rever pactos comerciais e construir um muro na fronteira com o México.

No mercado de câmbio, vendeu-se dólares nesta semana em parte porque suspeita-se que Trump pode preferir uma moeda mais fraca devido à sua atitude proteccionista, e em parte porque a incerteza que envolve uma vitória de Trump poderia levar a uma posição mais benevolente do Fed nos próximos meses.

Um levantamento do mercado pela Reuters no mês passado mostrou que uma maioria de analistas previa que as acções norte-americanas iriam ter desempenho melhor num governo Hillary do que num governo Trump.

As acções nos EUA fecharam em baixa nesta quarta depois que o Fed manteve a taxa de juros sem mudanças, mas sinalizou que poderia aumentá-la em Dezembro.

A redução da vantagem de Hillary sobre Trump desde a semana passada pode reflectir consequências negativas do retorno da polémica sobre o uso que ela fez de um servidor privado de e-mails quando era secretária de Estado. (Reuters)

por Amanda Becker e Emily Stephenson

(Reportagem adicional de Doina Chiacu em Washington, Jamie McGeever em Londres, Saqib Iqbal Ahmed em Nova York)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA