Cuanza Norte: Vice-Presidente da República está em Ndalatando para o “11 de Novembro”

Manuel Domingos Vicente, Vice-Presidente de Angola (Foto: Pedro Parente/Arquivo)

O vice-presidente da República, Manuel Domingos Vicente, chegou ao princípio da tarde a Ndalatando (Cuanza Norte), onde sexta-feira vai presidir ao acto central do 41º aniversário da Independência Nacional, sob o lema “11 de Novembro – unidos por uma Angola desenvolvida”.

À sua chegada, Manuel Vicente, foi recebido na comuna do Zenza do Itombe, município de Cambambe, por uma delegação encabeçada pelo governador do Cuanza Norte, José Maria Ferraz dos Santos, e por uma multidão que o aguardava com entusiasmo.

No trajecto a Ndalatando o vice-presidente da República foi efusivamente saudado pela população ao longo da via, com cânticos de boas- vindas.

Na sexta-feira, de acordo com o programa oficial, Manuel Vicente, deverá depositar uma coroa de flores no busto do saudoso presidente António Agostinho Neto, situado no largo com o mesmo nome.

Está ainda prevista a inauguração das novas instalações do Tribunal Provincial do Cuanza Norte, que funcionará no edifício da antiga seguradora “AAA”, vai visitar a administração municipal do Cazengo, cujo edifício foi recentemente reabilitado e vai ainda oferecer bens diversos às autoridades tradicionais da região.

Entretanto, as artérias e bairros periféricos da cidade de Ndalatando, encontram-se engalanadas com adornos e bandeiras do República, traduzindo assim o ambiente festivo que se vive, em comemoração aos 41 anos de Independência Nacional, conquistada a 11 de Novembro de 1975.

Numa ronda efectuada pela Angop, constatou-se que a maioria das artérias da cidade de Ndalatando está adornada com dísticos e panfletos com lema sobre a data além de outdors, ressaltando os ganhos alcançados em vários domínios pelo país, no geral e, em particular pela província ao longo dos 41 anos de independência.

Entre os espaços de maior atracção dos visitantes que escalam a cidade de Ndalatando, destaca-se o largo 1º de Maio, situado no centro da cidade, local que acolhe o acto central alusivo à data.

Pinturas de lancis, arranjos de jardins, colocação de bandeiras, entre outras acções, caracterizam o ambiente frenético que a cidade está a viver há 24 horas da efeméride.

Em declarações à Angop, os cidadãos enaltecem a iniciativa do Governo Provincial em garantir um ambiente colorido para as ruas da cidade, que além de melhorar substancialmente a imagem da urbe, exalta a importância da data bem como a forma efusiva em como os angolanos estão a viver este dia.

O jovem André Jacinto referiu que a festa da independência deve ser vivida com muita alegria, amor e solidariedade entre as pessoas, pelo facto de assinalar o dia em que os angolanos se viram livres, de uma vez por todas, da opressão colonial portuguesa.

Por seu turno, Manuel Neto, destacou também o contribuo e a coragem de milhares de angolanos que enfrentaram o colonialismo português para a libertação do povo.

Disse que a conquista da independência tem possibilitado aos angolanos, especialmente nesta província, desenvolverem acções que visam a edificação de um país próspero como “donos do seu próprio destino”, razão pela qual ninguém deve ficar à margem das festividades.

Referiu ainda que graças à independência é visível o crescimento dinâmico nas áreas da educação, saúde, construção e recuperação de indústrias, comércio, desporto e da agricultura, no país. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA