Ler Agora:
Cuando Cubango: Destacada sensibilização no combate contra a febre-amarela
Artigo completo 2 minutos de leitura

Cuando Cubango: Destacada sensibilização no combate contra a febre-amarela

O director da saúde no município do Cuchi (Cuando Cubango), Francisco Pedro Ndala, afirmou terça-feira, que fruto das campanhas de mobilização, sensibilização e distribuição regular de vacinas não registou-se, até ao momento, nenhum caso positivo de febre-amarela ao nível da sua circunscrição, que dista a 93 quilómetros de Menongue, sede capital da província.

Em declarações à Angop, Francisco Pedro Ndala informou que o município conta com uma equipa móvel que tem-se movimentado regularmente às comunidades para a realização da vacina de rotina, razão pela qual não foram notificados casos de febre-amarela.

“Estamos de parabéns, temos a equipa de vacinação de rotina nas comunidades que sai sempre, em coordenação com o responsável da vigilância epidemiológica, que em colaboração com os sobas e líderes religiosos têm exercido um papel de realce para a inexistência da febre-amarela no município”, sublinhou.

Em termos de infra-estruturas, informou o responsável, existe um hospital municipal, um centro de saúde e sete postos médicos, num total de nove unidades sanitárias no município do Cuchi.

Fez saber que a nível do município são controlados 42 funcionários, sendo um único médico clínico geral de nacionalidade coreana, ao passo que os demais são técnicos médios que garantem as consultas de pediatria, medicina e outras nas demais unidades sanitárias.

Augura que, a breve trecho, possa existir um concurso público para a colocação e inserção de mais técnicos, no sentido de serem distribuídos no hospital municipal e centro de saúde que está localizado na comuna do Cutatu, bem como nos demais postos ao redor da circunscrição.

O responsável acredita que pelo menos cinco médicos no hospital municipal e um em cada uma das demais unidades sanitárias e outros técnicos médios para os serviços de laboratório, maternidade, pediatria e outros serviços poderiam colmatar o défice que se regista actualmente. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »