Criminalidade ganhou contornos sofisticados – João Maria de Sousa

João Maria de Sousa, Procurador geral da República (Foto: ANTONIO ESCRIVAO)

A criminalidade nos dias de hoje ganhou contornos de sofisticação quer pelos modus operandi das redes criminosas quer pelo uso das novas tecnologias de informação tendo-se deslocalizado de um pais para o outro como é o caso da criminalidade transcontinental, assim como se transferiu do espaço físico para o ciberespaço.

Esta afirmação é do Procurador Geral da República, João Maria de Sousa, quando proferia o discursos de boas vindas neste quarta-feira, na sessão de abertura da XI Conferência Anual e Assembleia Geral de membros da Associação dos Procuradores de África, que decorre até sábado próximo sob o lema “Procuradores de África Unidos no Combate à corrupção e ao crime transnacional”.

De acordo com o procurador geral, os criminosos interpretam com esmero a noção de um mundo sem fronteira no qual operam activamente, enquanto que os garantes da legalidade operam com conceitos como competência territorial e jurisdição nacional.

“Não é raro nos envolvemos em conflitos positivos e negativos com os criminosos face as nossas debilidades apresentadas, contudo precisamos de estar preparados para levar a bom porto uma África livre de tanta criminalidade”, referiu.

Na óptica de João Maria de Sousa, para enfrentar um fenómeno que afecta toda a humanidade as soluções não devem ser tomadas isoladamente, é necessário o concerto entre os procuradores na medida em que cada um é detentor de conhecimento sobre determinada matéria que passará a ser objecto de partilha.

“Todo este exercício de aprimoramento de conhecimentos e a partilha de boas praticas só se torna possível quando nos predispomos a discutir o que temos em comum e o que nos distância “, realçou.

No evento vão ser debatidos temas como “ combate à corrupção prevenção e educação “, “ o combate à corrupção, investigação e acusação “, “ o combate à corrupção; cooperação internacional “, “ a investigação e acusação nos crimes transnacionais organizados, lições apreendidas”, entre outros temas.

Participam na conferência delegações de 35 países africanos, agregando magistrados, membros do Executivo, entidades eclesiásticas, entre outras personalidades. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA