Ler Agora:
Consciência Negra: Intolerância racial ainda é uma dura realidade no Brasil (vídeo)
Artigo completo 2 minutos de leitura

Consciência Negra: Intolerância racial ainda é uma dura realidade no Brasil (vídeo)

O Brasil celebrou no domingo, 20 de novembro, o Dia da Consciência Negra, data que relembra a luta pela liberdade e igualdade racial no Brasil.

A data foi escolhida como uma homenagem ao herói brasileiro Zumbi dos Palmares, líder do Quilombo dos Palmares, que faleceu no dia 20 de novembro de 1695. Palmares foi o principal representante da resistência negra à escravidão na época do Brasil Colonial.

O Dia da Consciência Negra é comemorado há mais de 30 anos por ativistas do movimento negro, mas só foi incluído no calendário escolar nacional em 2003. E apenas em 2011 se tornou feriado.

Atualmente mais de mil cidades brasileiras decretaram a data como feriado. Em São Paulo, a maior cidade brasileira, uma marcha reuniu milhares de pessoas na Avenida Paulista no domingo para comemorar a data.

O grupo pediu igualdade racial, combate ao racismo e o fim do extermínio de jovens negros nas periferias pela polícia militar.

Entre os manifestantes, estavam grupos feministas que integram a Marcha das Mulheres Negras. Além do fim do racismo, as mulheres pediram também o fim do machismo, da xenofobia e do preconceito contra lésbicas e bissexuais.

No Brasil, mais da metade da população é negra. No entanto, os negros são maiora entre os mais pobres. Três em cada quatro pessoas que estão na parcela dos 10% mais pobres do país são negras.

Apesar dos avanços no combate ao racismo e na criação de leis que punem os autores de injúrias raciais, o país ainda tem altos índices de crimes dessa natureza.

Em São Paulo, um levantamento do governo divulgado no jornal O Estado de S.Paulo, mostra que, em média, um crime de intolerância aconteceu a cada 69 minutos no último ano. Dos 7.587 crimes de ódio registrados pela polícia, quase metade eram casos de intolerância racial.

Para os manifestantes, a data não é de comemoração, mas de luta por igualdade, como afirma a arte educadora Lucia Makena.

Para a jovem estudante Gabriela Nevesh, essa causa tem que ser defendida não apenas pelos negros, como por todos os brasileiros. (Voa)

por Bárbara Ferreira Santos

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »