Arquivo Nacional expõe amostra Documental da correspondência do Reino do Kongo

Alexandra Aparício, Directora do Arquivo Histórico Nacional (Foto: Lino Guimaraes)

Vinte e três documentos distintos, entre os quais cartas, alvarás e correspondências datados entre o século XV E XVII, sobre o Reino do Kongo estão patentes desde hoje, quinta-feira, até ao fim do ano no Arquivo Nacional de Angola (ANA), em apoio a candidatura do Centro Histórico da Cidade de Mbanza Kongo na lista de Património Mundial.

Na amostra estão patentes documentos sobre o Reino do Kongo existente nos vários Arquivos e Bibliotecas em Portugal, no Arquivo Nacional Torre do Tombo, Biblioteca da Universidade de Coimbra, nos arquivos secreto e biblioteca do Vaticano, no Arquivo da Congregação de propaganda FIDE, da biblioteca e Arquivo do da universidade de Évora e Itália que abordam diversas correspondências trocada entre os Soberanos do Reino do Kongo, Portugal e o Vaticano entre 1493 a 1657.

Na amostra constam extractos de cartas com destaque para Alvará de D. João II de Portugal, a Rui Gil, que manda aprontar diversas peças de vestuário, para o Rei do Kongo sua esposa datada em 1493.

Constam ainda Cartas Credencial do Rei do Kongo, D. Garcia Afonso II, aos embaixadores Capuchinhos onde os nomeia para a corte de Roma e procuração de D. Diogo I, Nkumbi-a-Mpudi, ao Padre Diogo Gomes, conferindo-lhe poderes para arrecadar receitas e fazendas.

Para a directora do Arquivo Nacional de Angola (ANA), Alexandra Aparício, que falava à Angop, a ocasião é oportuna para chamar a atenção do público em geral e dos estudantes e investigadores em particular para o acervo, visando a sua leitura para uma escrita da História de Angola contada de forma justa.

A directora solicitou os estudiosos do Kongo a lerem as documentações e procurarem explorar melhor o “rico” o acervo existente a nível mundial.

Por sua vez o ministro conselheiro da embaixada do Brasil, João Tabajara Júnior, considerou de importante a iniciativa da ANA, visto que os documentos devem ser estudados com profundidade para se saber de concreto como a África de relacionava com as Américas e Europa e mostrar a importância que África teve sobre eles. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA