Trump em posição difícil antes de segundo debate com Hillary Clinton

(Afp)

O candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, enfrenta neste domingo em uma posição muito difícil um debate televisivo chave com sua rival democrata Hillary Clinton, ao término de um fim de semana catastrófico.

Às 21h00 (22h00 de Brasília deste domingo) na universidade Washington de St. Louis (Missouri), o magnata e a ex-secretária de Estado estarão novamente cara a cara em um debate transmitido ao vivo pelos grandes canais. Ambos deverão responder às perguntas de dois moderadores e de um painel integrado por eleitores indecisos.

Hillary tentará reforçar sua imagem de mulher de Estado, enquanto Trump pode se ver limitado a aplicar uma estratégia de redução de danos.

A divulgação na sexta-feira de um vídeo de 2005 no qual menospreza as mulheres com uma linguagem vulgar e machista valeu a Trump uma forte rejeição, inclusive em suas próprias fileiras.

No vídeo, Trump diz a um apresentador de televisão durante uma conversa gravada – sem seu consentimento – em um ónibus: “Quando você é famoso, elas deixam você fazer. Você pode fazer qualquer coisa”.

E conta sobre sua primeira tentativa frustrada de seduzir uma mulher.

“Eu parti para cima dela e falhei. Admito para você”, contou Trump na gravação. “Uau”, diz uma outra voz. “Eu parti para cima dela como uma cachorra, mas não consegui comer. E ela era casada”, continua.

– Um debate crucial –

Precisando urgentemente atrair o apoio de sectores do eleitorado reticentes a ele, em particular as mulheres, a menos de um mês das eleições de 8 de Novembro, Trump corre o risco, pelo contrário, de perdê-los definitivamente.

O debate deste domingo será, consequentemente, decisivo para o magnata, que segundo os analistas havia perdido o primeiro confronto com Hillary, em 26 de Setembro.

As declarações que fez na noite de sexta-feira e ao longo de sábado permitem deduzir a estratégia que Trump adoptará para tentar dobrar sua adversária.

O republicano deve se mostrar humilde, reconhecendo seus erros de 11 anos atrás e reiterando os pedidos de desculpas a respeito, ao mesmo tempo em que atacará Hillary Clinton através de seu marido Bill, conhecido por suas aventuras extra-conjugais.

No sábado, Trump retwitou a mensagem de uma mulher que denunciou em 1999 ter sido estuprada por Bill Clinton em 1978.

Também está previsto que o republicano reitere mais uma vez sua vontade de manter sua candidatura, apesar das deserções de última hora de seu próprio grupo, algumas delas de forte importância política.

– Abandonado –

Entre os republicanos que manifestaram que não votarão em Trump em novembro se destacam o senador John McCain e Mitt Romney, ex-candidatos à presidência, a ex-secretária de Estado Condoleezza Rice e o actor e ex-governador da Califórnia Arnold Schwarzenegger.

O presidente da Câmara de Deputados, Paul Ryan, disse estar “doente pelas declarações” de Trump, e inclusive seu companheiro de chapa, Mike Pence, se distanciou dele.

“Não consinto com estas declarações e não posso defendê-las”, declarou Pence, embora tenha celebrado o pedido de desculpas feito por Trump.

“As palavras que meu marido usou são inaceitáveis e ofensivas para mim”, mas “não representam o homem que eu conheço”, manifestou em um comunicado Melania, esposa do multimilionário.

O vídeo de 2005 “é uma punhalada no coração de Trump. No debate certamente o tema será levantado”, disse Larry Sabato, cientista político da Universidade da Virgínia.

“Trump não perderá nenhum voto entre seu eleitorado, que não se importa com nada” do que o candidato disse há 11 anos, mas “não poderá ampliar sua base eleitoral”, estimou. (Afp)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA