Samora Machel morreu há 30 anos, acidente ou crime?

L'ex-président mozambicain, Samora Machel, en juin 1975. (Universal History Archive/UIG via Getty Images)

O Presidente Filipe Nyusi dirigiu esta quarta-feira na Praça dos Heróis, em Maputo, a cerimónia central para assinalar o trigésimo aniversário da morte de Samora Machel.

Samora Machel, o primeiro Presidente de Moçambique, o “Pai da Nação” morreu juntamente com os 33 membros da sua comitiva no despenhamento do avião que o trazia da Zâmbia no dia 19 de Outubro de 1986 em Mbuzini, numa altura em que se aproximava do Ocidente, distanciando-se do marxismo-leninismo que a Frelimo abraçara a seguir à independência, o que gerou tensões no seio da Frelimo.

As causas deste acidente ou crime estão ainda ainda por esclarecer, mas ontem (18/10) em Mbuzini, o primeiro ministro Carlos Agostinho do Rosário afirmou que o esclarecimento das circunstâncias da morte de Samora Machel, continuam a ser uma prioridade nacional e um imperativo patriótico.

Graça Machel, a sua esposa na altura e hoje viúva de Nelson Mandela, afirmou na mesma ocasião que a descoberta das verdadeiras causas do acidente, é da responsabilidade dos governos moçambicano e sul-africano.

A pedido de Graça Machel e Nelson Mandela a morte de Samora Machel foi investigada por uma equipa especial de investigação denominada “The Scorpions”.

Oficalmente o avião Tupolev 134 de fabrico soviético despenhou-se nas colinas de Mbuzini, vindo de Lusaca, Zâmbia, devido à emissão de falsos sinais de rádio, que o fizeram baixar de altitute, o que efectivamente aconteceu, pois o piloto russo (que também faleceu no acidente) julgando que estava a baixar em direcção ao aeroporto de Maputo, conduziu de facto o avião para a África do Sul, onde se despenhou.

Hans Low, um ex-agente secreto sul-africano (preso desde 1997 e condenado a 22 anos de prisão por homicídio) afirmou ao jornal Sowetan Sunday World que a morte de Samora Machel não foi um acidente e admite er feito parte do grupo que preparou um plano B para assassinar Samora, caso falhassem os falsos sinais de rádio que deveriam induzir o avião em erro.

Em Moçambique a versão oficial dada pela Frelimo acusa o regime do apartheid de crime de terrorismo de Estado, enquanto alguns membros da Frelimo apontam para um golpe de Estado levado a cabo por indivíduos que pretendiam impôr mudanças no regime marxista em vigor em Moçambique, foi o que afirmou por exemplo o tenente general agora na reserva Hama Thain, evocando interesses externos com conluio de forças internas.

Como revelou em livro de memórias o então ministro Jacinto Veloso, o mecânico de bordo do avião presidencial Vladimir Novoselov, que se encontrava hospitalizado em Maputo, foi evacuado “à pressa” para Moscovo sem conhecimento da comissão de inquérito, o que só foi possível graças às facilidades concedidas pelo então ministro da Segurança Sérgio Vieira.

Joaquim Chissano mal tomou posse como segundo Presidente de Moçambique, recusou continuar a voar em aviões russos tripulados por soviéticos, pode ler-se num estudo da autoria da investigadora Yvonne Clayburn intitulado “Estratégia de desinformação soviética aplicada ao desastre de aviação de Samora Machel”, ela admite que a AIM desempenhou um papel preponderante, em conluio uma equipa soviética especializada em técnicas de desinformação, enviada para Moçambique no dia seguinte à morte de Samora Machel.

O investigador norte-americano de acidentes de aviação Alan E. Diehl, enviado para a África do Sul em Janeiro de 1987 pelas autoridades americanas para tentar apurar as causas da queda do Tupolev, publicou nos finais de 2013 um livro sobre o acidente de Mbuzini, que revela entre outros que Jesus Cardoso, controlador do tráfego aéreo na Torre de controlo do aeroporto de Maputo na noite do acidente, foi “assassinado” dias depois e confirma que o extinto regime do apartheid tinha um sistema de rádio-navegação móvel ou VOR que poderia ter sido utilizado para desviar aviões do seu plano de voo inicial, mas indica também que a tripulação cometeu erros crassos.

Este investigador pediu na altura que as Nações Unidas investigássem a causa do despenhamento do Tupolev 134 que poderia ter sido, segundo ele um “crime contra a humanidade”.

No entanto, para o investigador João Cabrita autor do livro “The Tortuous Road to Democracy” traduzido para português sob o título “A Morte de Samora Machel” o acidente de Mbuzini foi o resultado de erros humanos, excluindo a hipótese que qualquer tipo de conspiração.

Neste mesmo livro este historiador escreve que Joaquim Chissano usou o argumento étnico para suceder a Samora Machel e afastar o seu sucessor natural Marcelino dos Santos. (Rfi)

por Isabel Pinto Machado

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA