Presidente da Caixa Geral de Depósitos vai ganhar 423 mil euros por ano, mais prémios

(HUGO AMARAL/OBSERVADOR)

Ministro das Finanças diz que salários da administração da CGD estão alinhados com o praticado nos principais bancos e incluem a possibilidade de prémios de gestão. PSD queixou-se, mas o BE também.

O novo presidente da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues, vai ganhar 423 mil euros de salário por ano, disse o ministro das Finanças esta terça-feira no Parlamento, explicando que o nível salarial da nova administração do banco público foi determinado para que estejam alinhados com o praticado na banca em Portugal. O ministro ainda admitiu que o valor das remunerações pode vir a ser mais alto — pela existência de prémios pelo desempenho, que podem ir até metade da remuneração fixa — mas que isso só mostra que “o investimento feito na Caixa está a dar retorno e é justificável”.

Mário Centeno, que foi ouvido na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, sobre a execução orçamental e sobre o plano de capitalização da CGD (operação que o Governo prevê que avance ainda este ano) foi questionado pelo deputado do PSD Duarte Pacheco sobre quais eram os salários da nova administração.

Na resposta, o governante falou no salário do presidente e acrescentou que os vogais da administração terão um vencimento anual de 337 mil euros. Considerando que a Caixa tem seis administradores executivos, para além do presidente, a comissão executiva da Caixa irá custar em salários cerca de 2,465 milhões de euros por ano brutos.

O ministro das Finanças assegurou ainda que os vencimentos da gestão do banco público seriam superiores com a aplicação da regra que estava em vigor de determinação da remuneração dos membros do conselho de administração e que o atual executivo mudou para viabilizar a escolha dos nomes para a Caixa e que estavam a trabalhar no setor bancário — a maioria veio do BPI.

O estatuto do gestor público, que foi alterado para o banco do Estado, limitava os vencimentos ao salário do primeiro-ministro, mas permitia aos gestores optarem pela média dos salários recebidos nos três anos anteriores. Mas se os vencimentos seriam mais altos, com as regras anteriores, é certo que a nova administração da Caixa Geral de Depósitosvai custar mais do que a anterior.

A comparação com o ano passado tem algumas limitações porque o governo da sociedade mudou e o número de administradores não é o mesmo. Além de que em 2015 ainda vigoravam os cortes que afetaram os salários mais altos no Estado, incluindo os administradores. Nas contas de 2015, a Caixa diz que a remuneração dos órgãos de gestão e fiscalização custou 1,3 milhões de euros.
Salários dos executivos quase duplicam face a 2015

Comparando apenas o vencimento mensal de divulgado para o antigo presidente executivo da Caixa, concluímos que António Domingues vai ganhar quase o dobro de José de Matos.

O atual presidente da Caixa terá um vencimento mensal (dividido por 14 meses) um pouco superior a 30 mil euros brutos (30,2 mil euros). Segundo o relatório e contas de 2015 da CGD, o salário mensal de José de Matos (14 meses por ano) foi de 16.578 euros brutos. (Observador)

por Rita Tavares e Ana Suspiro

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA