Partidos políticos devem fiscalizar actualização dos dados eleitorais

Osvaldo Mboco - Analista político (Foto: Pedro Parente)

Os partidos políticos, com destaque para os que têm assento no Parlamento, devem acompanhar as diferentes etapas do processo eleitoral, por formas a garantirem maior lisura do mesmo e evitarem eventuais constrangimentos futuros.

Esta tese foi defendida pelo analista político Osvaldo Mboco, quando falava à Angop sobre a importância do registo eleitoral, cuja fase de actualização dos dados decorre desde o dia 25 de Agosto último, em Angola.

O analista precisou que Angola vai realizar as eleições gerais no próximo ano (2017), mas já está preocupada com a actualização do registo eleitoral, o que é muito bom, porquanto evita constrangimentos e permite o cumprimento cabal da agenda que abrange, entre outras, a realização das eleições e a divulgação dos resultados.

Por isso, considera fundamental que os partidos, enquanto actores políticos principais, têm de estar engajados no acompanhamento ou fiscalização de todo o processo, colocando os seus quadros ou militantes no terreno.

Deste modo, disse, poderemos antever um processo eleitoral calmo, tranquilo, onde todos se identificam e reconhecem os resultados, porque todas as condições estão a ser criadas com o envolvimento de todos os actores políticos.

Entretanto, para si, neste momento existe uma nota negativa para os partidos políticos, no tocante a fiscalização, de facto, do processo de actualização dos dados eleitorais, tendo em conta que só o MPLA e a Casa-Ce disponibilizaram fiscais para os postos de registo.

“Não podemos falar de lisura do processo, quando de facto não acompanhamos o mesmo. Temos de ter a hombridade de reconhecer o nosso papel e cumprirmos com o mesmo, para não corrermos o risco de fazermos pronunciamentos sem fundamentos ou baseados em ouvi dizer”, alertou Osvaldo Mboco aos partidos políticos, quanto a conduta a adoptarem.

Relativamente a forma como os cidadãos estão a actualizar os seus dados eleitorais, acorrendo aos postos de registo eleitoral, quer sejam fixos ou móveis, defendeu ser a mais correcta por estar associada a realidade angolana, garantir segura e confidencial no processo.

Por outro lado, o analista político chamou a atenção dos cidadãos angolanos que até ao momento não actualizaram os seus dados, no sentido de o fazerem nos próximos dias.

“Não é sensato esperar pelos últimos dias para actualizar os dados eleitorais. Todos somos chamados para exercer o dever de cidadania de escolher os nossos representantes ou governantes e, para isso, temos de cumprir com as diversas etapas do processo. Actualizar os nossos dados eleitorais é também uma etapa”, explicou.

Para Osvaldo Mboco, quando o cidadão actualiza os seus dados com antecedência, está a contribuir para maior organização do processo, no seu todo. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA