Papel das redes sociais em debate em Angola

(DW/DPA)

O ministro angolano do Interior Ângelo Veiga Tavares disse na abertura do II Conselho Metodológico da Direcção Geral dos Serviços Penitenciários que o seu Ministério está ser vitima de calúnia e difamação nas redes sociais.

Esta declaração surge após a divulgação nas redes sociais de fotos sobre o mau estado de saúde de reclusos nas cadeias de Luanda e relatos de mortes de supostos criminosos alegadamente por efectivos do Serviço de Investigação Criminal (SIC), bem como o envolvimento sexual de responsáveis dos serviços penitenciários com reclusas, na província do Kuanza Sul.

O papel das redes sociais no mundo mas também em Angola provoca debates a diversos níveis.

A declaração de Ângelo Veiga Tavares levanta, uma vez mais, o debate sobre a importância e o papel das redes sociais, havendo posições bem díspares.

No entanto, esta é uma realidade que todos confrontam neste momento.

O sociólogo Paulo de Carvalho considera que as redes sociais têm muitos pontos positivos e negativos.

Entre os positivos, ele destaca o acesso directo à informação e a rapidez de notícias, facto que conforma uma autêntica revolução.

Do lado negativo, entretanto, o também professor universitário lembra por exemplo, a facilidade com que se pode denegrir a imagem das pessoas porque “não há controlo, cada um escreve o que quer e as pessoas com menos escrúpulos aproveitam-se”.

No entanto, o jurista José Francisco Lumango acredita que os cidadãos recorrem a denúncias públicas nas redes sociais por não confiarem nas instituições do país.

“Não estão preocupadas se a policia vai agir ou não, mas usam as redes sociais para pressionarem” disse Lumango.

De recordar que vários crimes em Luanda foram desvendados com a contribuição das redes sociais. (Voa)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA