País comprometido com pacificação na região

Ministro das Relações Exteriores, Georges Chikoti (Foto: Francisco Miudo)

Angola está cada vez mais comprometida com os processos de pacificação na República Democrática do Congo, no Burundi, na República Centro-Africana e no Sudão do Sul.

A afirmação é do ministro das Relações Exteriores, Georges Chikoti, quando hoje discursava na abertura da reunião ministerial preparatória do 7º encontro de alto nível do mecanismo regional de supervisão do acordo quadro para a paz, segurança e cooperação na República Democrática do Congo e na região, a decorrer em Luanda.

Segundo o chefe da diplomacia, Angola enquanto, presidente em exercício da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos (CIRGL), continua imparável na resolução dos conflitos na zona, em particular, e no continente africano,em geral, promovendo a credibilidade, o desenvolvimento político e institucional, a segurança interna e transfronteiriça, a boa governação e os direitos humanos.

Este encontro ministerial tem como objectivo preparar o de Chefes de Estado e de Governo da CIRGL, marcado para quarta-feira. Angola acolhe pela primeira vez este encontro, na qualidade de signatários do acordo-quadro de paz, segurança e cooperação na RDC, rubricado desde 24 de Fevereiro de 2013.

Enquanto mecanismo mais adequado para a solução pacífica dos conflitos, este acordo-quadro visa abordar as causas profundas dos conflitos no Leste da RDC e enuncia uma série de compromissos para este país, os da região e da comunidade internacional, de acordo com Georges Chikoti.

Para o ministro, “há um tempo se tem constatado progressos contínuos na implementação dos compromissos nacionais, regionais e internacionais, não obstante persistirem alguns desafios”.

Perante este quadro, Georges Chikoti destacou que com a realização com sucesso da primeira Conferência sobre Investimentos Privados na Região dos Grandes Lagos, em Fevereiro deste ano, em Kinshasa, traduziu-se, sem dúvida, no reforço das relações bilaterais entre os países desta zona e contribuiu para a melhoria das relações regionais.

O governante reconheceu os esforços em curso para conter a crescente ameaça das Forças Democráticas Aliadas (ADF) e outras forças negativas no Leste da RDC, em conformidade com a decisão da 6ª Cimeira Ordinária da CIRGL, realizada em Junho deste ano, em Luanda.

A CIRGL é constituída por Angola, Burundi, Zâmbia, República Democrática do Congo (RDC), República Centro-Africana (RCA), República do Congo, Quénia, Uganda, Rwanda, Sudão do Sul, Sudão e Tanzânia.

A organização regional, na qual Angola depois de ter cumprido um primeiro mandato (2014-2015) foi reconduzida à presidência, foi criada em 1994 após conflitos que se registaram na região que ceifou a vida de milhares de vidas humanas.

Sob a orientação do presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, Luanda albergou, a 14 Junho de 2016, a A 6ª Cimeira de Chefes de Estado e Governo da CIRGL, destacando-se entre os presentes os seus homólogos Joseph Kabila (RDC), Denis Sassou Nguesso (Congo), Yoweri Museveni (Uganda) e Jacob Zuma (África do Sul), este na qualidade de observador. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA