Ministro reitera aposta do Executivo para promoção do turismo

Paulino Baptista - Ministro da Hotelaria e Turismo (Foto: Lino Guimarães)

O ministro da Hotelaria e Turismo, Paulino Baptista, garantiu neste sábado, em Luanda, a aposta do Executivo na promoção do turismo interno para oferecer serviços com a qualidade exigida.

Falando à imprensa, na cerimónia oficial de encerramento da 5ª edição da Bolsa Internacional de Turismo “Bitur/Okavango”, realizada de 13 a 16 deste mês, sublinhou que antes de vender o produto fora é preciso que o mesmo seja organizado dentro.

De acordo com o governante, a Bitur/Okavango cumpriu com os seus objectivos, que era estabelecer o mercado, venda e compra de serviços, projecções futuras, artesanato, cultura, ambiente, entre outros.

“O turismo não é isolado de todo sistema económico, mas também há portas que vão se abrindo. O turismo integrou recentemente o programa Angola Investe. Os bancos estão disponíveis para apoiar as iniciativas das pequenas empresas”, disse.

Lembrou que a hotelaria e turismo é uma actividade eminentemente privada, sendo necessário que os empresários que operam no sector tenham o seu espaço.

Acresceu que, no âmbito do Plano Operativo do Turismo 2016-2017 (POT), a captação de receitas, turismo interno, formação profissional e promoção turística, continuam a merecer a atenção do ministério.

A 5ª edição da Bolsa Internacional de Turismo “Bitur/Okavango” serviu como forma de homenagear e incentivar os esforços para tornar o projecto Okavango-Zambeze numa iniciativa de referência turística internacional, como reza o próprio princípio da sua constituição.

Okavango-Zambeze é um projecto de âmbito regional, que inclui países como Angola, Zâmbia, Namíbia, Botswana e Zimbabwe, sendo o primeiro que detém o maior território e potencial em termos da fauna e flora.

A 5ª edição da Bolsa Internacional de Turismo “Bitur/Okavango inscreveu um ciclo de conferências com temas transversais.

“Os desafios e oportunidades do Turismo Interno” e “O comprometimento das entidades públicas e o papel do sector privado para o desenvolvimento do turismo”, fizeram parte da lista.

Figuram ainda “O papel do turismo na dinamização da economia local, fiscalidade do sector hoteleiro e turismo”, “O papel das seguradoras na protecção do turismo”, e “A conectividade aérea na promoção do turismo”. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA