Milhares de raparigas na Europa enfrentam mutilações e casamentos forçados

(Euronews)

O casamento forçado e a mutilação genital feminina não pertencem nem ao passado, nem a países longínquos. A realidade destes fenómenos está bem presente na Europa dos dias de hoje.

Recentemente, alguns países celebraram um Dia Internacional dedicado às meninas e às jovens mulheres, sob os auspícios da ONU. O Insiders junta-se a essa iniciativa à sua maneira, fazendo eco de problemáticas que continuam a afetar raparigas em várias partes do mundo, expostas por vezes a formas de violência difíceis de conceber em pleno século 21. Falamos concretamente em casamentos forçados e na mutilação genital feminina.

É quase impossível apresentar números exatos sobre a ocorrência destes fenómenos na Europa, uma vez que costumam suceder no maior dos segredos, no seio das próprias famílias. No entanto, as estimativas indicam uma dimensão assustadora.

A mutilação genital feminina consiste na remoção parcial ou total dos órgãos sexuais externos, um ritual feito à margem de qualquer intervenção médica.

Há cerca de 500 mil mulheres na União Europeia que terão sido vítimas de excisão. Prevê-se que anualmente estejam em risco 180 mil jovens mulheres e raparigas. No que respeita ao casamento forçado, só no Reino Unido, são registados perto de 1300 casos por ano. Um quarto deles refere-se a raparigas menores de idade.

Muitas das vezes, estes dois fenómenos estão associados, como nos mostra a reportagem que Damon Embling fez no Reino Unido, onde encontrou mulheres que sobreviveram por pouco ao pesadelo: Mutilação genital feminina: O crime do qual muito poucos falam.

A segunda história desta edição passa-se na Bélgica, um dos primeiros países europeus a criar uma lei específica para criminalizar o casamento forçado. A reportagem Casamentos forçados: ‘Contem a alguém o que está a acontecer’ é da autoria de Valérie Gauriat.

O Insiders falou igualmente com Isabelle Gillette-Faye, socióloga francesa e responsável pelo Grupo de Abolição das Mutilações Sexuais Femininas e Casamentos Forçados (GAMS): “Cada vaga migratória obriga a uma reflexão sobre os direitos das mulheres”. (Euronews)

por Nuno Prudêncio

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA