Mergulhadores resgatam corpo na praia proibida do Benfica

Projecto Praias Seguras de Angola (Foto: Pedro do Parente)

Mergulhadores do projecto Praias Seguras de Angola (PSA) resgataram, na segunda-feira, numa praia proibidas do Benfica (Km 28), município de Belas, em Luanda, o corpo de um jovem de 27 anos de idade vítima de afogamento.

Falando hoje, terça-feira, à Angop, o porta-voz do comando provincial do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros (SNPCB), Faustino Minguês, reiterou o apelo aos banhistas para que respeitem as placas de proibição colocadas em praias de maior risco, principalmente as do Sul de Luanda.

O responsável recordou que em menos de 48 morreram dois homens, na mesma região, tendo voltado alertar que entre o Morro dos Veados e os Ramiros foram feitas escavações, devido a requalificação.

Faustino Minguês disse ainda que as praias tornam-se perigosas se as pessoas não tomarem as devidas precauções, envolvendo-se em situações de risco.

Afirmou que os banhistas devem acautelar-se do perigo que as ondas e correntes fortes podem causar quando se juntam, assim como as rochas submersas que exigem cuidados redobrados para quem mergulha.

“ Estas rochas submersas acabam muitas vezes por causar ferimentos, por isso devem estar atendo as mudanças das correntes marítimas, factores que dão origem a remoinhos”, disse.

Das praias proibidas apontou o Ponto Final e Boavista, no distrito urbano da Ingombota, Morro dos Veados até os Ramiros, no município de Belas, bem como Boca do Rio, Cefopescas, em Cacuaco.

Estão autorizadas para os banhistas as praias da Língua, Jembas, Cepa, Rocha das mangueiras e Mussulo Centro, Neyuka, Rua-11, dos Generais, Por do Sol e Praia Amélia (Belas), Jango veleiro, Marinha de Guerra, Tamariz, Rotunda da Floresta (Ingombota) e Vila sede (Cacuaco).

O responsável alerta, igualmente, que na ausência de salvadores nadadores do projecto Praias Seguras de Angola (PSA) a bandeira vermelha significa “ proibido nadar”, amarela “ só se pode tomar banho com permissão ”, verde “ acesso livre para banho” e axadrezada “ ausência temporária do salva vida ou nadador salvador.

Apesar de não revelar o número de mortes, desde o início da época balnear a 15 de Agosto, todas semanas os bombeiros, em Luanda, resgatam corpos de vítimas de afogamentos, ou de pessoas em eminência de afogar-se, na sua maioria jovens. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA