Mais famílias na época agrícola 2016/2017

Albano Lussati- Presidente de Direcção da UNACA (Foto: Joaquina Bento)

A época agrícola 2016/2017 prevê engajar oitenta porcento das famílias camponesas, informou hoje, sábado, o presidente da Confederação das Associações de Camponeses e Cooperativas Agro-pecuárias de Angola (Unaca), Albano Lussati.

Em declarações à Angop, o responsável disse que com a inserção de informações na base de dados que a Unaca está a actualizar, a organização prevê que grande número de famílias camponesas adira a época agrícola.

O dirigente da Unaca referiu que os dados relacionados com as famílias engajadas nesta época agrícola são da responsabilidade do Ministério da Agricultura.

Para Albano Lussati, a previsão sobre as áreas de cultivo e as colheitas é feita em função do número de famílias abrangidas em cada época agrícola, de acordo com o número de associações/cooperativas e agricultores individuais.

O programa de micro-crédito que contou com o apoio do Banco de Poupança e Crédito (BPC), assim como do Banco Sol, terminou em 2006 e permitiu que muitas famílias camponesas melhorassem as suas rendas e as condições de vida.

O responsável considerou positivo o balanço do programa de micro-crédito concedido aos camponeses, pese embora não ter abrangido a todas associações e cooperativas.

O responsável disse que a falta de adubos no mercado interno que há dois meses era reclamado pelos camponeses está a ser acautelado com a assinatura de alguns protocolos com empresários que actuam neste sector e algumas organizações congéneres.

Albano Lussati destaca o apoio do Executivo angolano na aquisição de adubo, através da criação de algumas fábricas em determinadas províncias do país.

O modelo de estruturação da Unaca basea-se na descentralização do topo à base, a confederação de nível central se encontra em primeira instância, segue a de nível provincial e por último a de nível municipal (associação/cooperativa).

A Unaca é um parceiro do Ministério da Agricultura e através do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA) e dos técnicos das Estações de Desenvolvimento Agrário (EDA), tem permitido que os camponeses adquiriram novos métodos de cultivo, tendo em vista o aumento da produção. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA