Le Monde diz que João Doria, “o Bloomberg brasileiro”, marcou história

Prefeito eleito da capital paulista, João Doria, um dia após a eleição. (Rovena Rosa / Agência Brasil)

A revista semanal do jornal Le Monde, M, traz um curto perfil do novo prefeito de São Paulo, João Doria, do PSDB, descrito como “o Bloomberg brasileiro”, em referência ao ex-prefeito de Nova York, o rico empresário Michael Bloomberg. O texto afirma que, ao ser eleito no primeiro turno na maior cidade do país, o tucano “marcou história”: desde o fim da ditadura no Brasil, jamais um candidato havia conseguido se eleger em São Paulo sem passar pelo segundo turno.

O perfil é publicado na seção “Qui est vraiment?” (“quem é de verdade?”), que descreve uma personalidade em poucos tópicos. Os escolhidos para Doria são “o derrubador do PT”,“um autêntico falso político” e “um empresário milionário”, além da referência ao ex-prefeito americano.

M diz que o tucano, “um ex-empresário que se converteu à política”, foi eleito graças a uma poderosa campanha de marketing, aliada ao “naufrágio” do PT. O texto nota que o futuro prefeito se esforçou para não ser associado ao desgastado mundo da política, e sim ser conhecido como gestor.

Programa ultraliberal

A revista destaca que, uma vez no poder, Doria planeja administrar a cidade como se fosse uma grande empresa – e pretende privatizar até os cemitérios paulistanos. A análise frisa que o programa do futuro prefeito é “ultraliberal”.

A aparência física “arrumada” do vencedor também merece destaque. M sublinha que João Doria “encarna como ninguém a burguesia empresarial paulista”, um visual que é reforçado pelo passado do candidato na televisão, onde desenvolveu o talento de comunicador. Mas o texto observa que, apesar de ter apresentado dois programas de reality show, ele não era muito conhecido do grande público até se lançar na política. (Rfi)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA