Japão afunda na deflação apesar de medidas do banco central

Vista da área comercial de Ginza, em Tóquio (Afp)

Os dados publicados nesta sexta-feira no Japão, com preços em queda livre e um consumo das famílias que segue baixando, confirmam a fragilidade da economia japonesa, dias antes de uma reunião do banco central.

O Banco Central do Japão (BoJ), que na terça-feira publicará suas novas previsões, pode adiar novamente seu objectivo de alcançar uma inflação de 2%.

Quando Haruhiko Kuroda assumiu o comando da instituição, no início de 2013, sonhava em alcançar este objectivo em dois anos. Mas actualmente ele parece muito distante: os preços ao consumidor, excluindo os produtos perecíveis, caíram em Setembro pelo sétimo mês consecutivo (-0,5% em ritmo anual).

Embora a situação possa melhorar com o aumento recente dos preços do petróleo e com o fortalecimento do dólar frente ao iene, segundo os analistas, o objectivo do BoJ de alcançar seu objectivo em 2018 é pouco realista.

“Parece provável um novo adiamento, que seria o quarto desde que o banco central começou sua política acomodatícia”, explicou a consultora britânica Capital Economics em uma nota.

Apesar dos dados ruins, os economistas não esperam novas medidas do BoJ para apoiar a economia e apenas uma pequena proporção dos analistas perguntados pela Bloomberg prevêem decisões na próxima semana.

Não apenas as empresas hesitam em investir, mas as residências também não são optimistas, com uma queda do consumo de 2,1% em Setembro após outra de 4,6% em Agosto.

Yasunari Ueno, chefe economista da Mizuho Securities, disse recentemente que a economia foi afectada pelos seis tufões de Agosto e Setembro e que pode melhorar nos próximos meses, embora não acredite em milagres. “O consumo das famílias não se converterá no motor de crescimento que a economia precisa”, afirma. (Afp)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA