Índia ratifica acordo de Paris sobre clima

(Afp)

A Índia, o terceiro emissor mundial de gases de efeito estufa, ratificou neste domingo o acordo de Paris sobre o clima, um passo a favor do tratado, que entrará em vigor em breve.

O documento ratificado por Nova Délhi foi apresentado na sede das Nações Unidas, em Nova York, às 11H00 (Brasília), anunciou o ministro indiano do Meio Ambiente, Anil Madhav Dave, em sua conta do Twitter.

Todo o procedimento ocorreu sem cerimónias.

Com a ideia de cultivar sua imagem de governo ecologista, o poder Executivo do nacionalista hindu Narendra Modi escolheu a simbólica data de 2 de Outubro, aniversário do nascimento de Mahatma Gandhi, para ratificar o acordo da COP21.

Modi afirmou, para explicar sua decisão, sua vida foi marcada pela pegada do carbono.

O acordo de Paris aponta limitar o aquecimento global por baixo de 2º C a respeito dos níveis pré-industriais.

Para que entre em vigor, o acordo, anunciado em Dezembro de 2015, deve ser ratificado por, ao menos, 55 países que sejam responsáveis, como mínimo, de 55% das emissões de gases de efeito estufa.

Assim, com a Índia e seus 4,1% das emissões mundiais, um total de 62 países responsáveis por quase 52% das emissões totais, terão ratificado o acordo.

China e Estados Unidos, os dois países que mais contaminam, contribuíram para acelerar o processo ao assinarem o texto no início de Setembro, durante uma cúpula na qual se reuniram os presidentes Xi Jinping e Barack Obama.

Por sua parte, a União Europeia (UE), com 12% das emissões, o ratificará nos próximos dias.

Argentina, Brasil e México, assim como importantes produtores de petróleo, como Brunei e Emirados Árabes, já o ratificaram.

– Sim ao acordo, também ao carvão-

Mas, apesar de suas promessas ecologistas, a Índia depende em grande medida de suas muito contaminantes centrais de carvão, que cobrem cerca de 60% de sua produção de electricidade.

O gigante do sul da Ásia deve conciliar as exigências de seu crescimento sustentável (7,6% em 2015/2016) com uma demanda energética em aumento e a necessidade de criar muitos empregos para as gerações jovens que vão se incorporando ao mercado de trabalho.

“A Índia é uma das poucas grandes economias que não prometeu abandonar o carvão”, apontou Joydeep Gupta, director da página The Third Pole, especializada em questões ambientais e climáticas do sul da Ásia.

Para melhoras sua marca ecológica, Nova Délhi fez da energia solar a pedra angular de sua estratégia, fixando o ambicioso objectivo de levar sua produção solar até os 100 gigawatts em 2022, ou seja, mais de dez vezes sua capacidade actual.

Contudo, segundo suas projecções, o carvão continuaria sendo a primeira fonte de energia da Índia.

Mas os especialistas reconhecem o compromisso do governo de Modi a favor das energias renováveis, sua política em matéria de meio ambiente deixa ainda muito a desejar, segundo eles.

“[O governo de Modi] Ignora os problemas da contaminação do ar, da água, do solo. E sua atitude não é favorável com os militantes ecologistas”, aqueles que o governo, no poder desde 2014, percebe como um obstáculo ao crescimento, explicou Gupta. (Afp)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA