Grandes Lagos: Presidente angolano e homólogos conversam sobre instabilidade política

(Foto: Francisco Miudo)

A instabilidade política reinante em países membros da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos esteve no centro dos encontros separados que o Chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, manteve nesta quarta-feira, em Luanda, com os homólogos do Congo, Denis Sassou Nguesso, do Tchad, Idriss Deby e da Zâmbia, Edgar Lungu.

Os encontros tiveram lugar na residência protocolar do Centro de Convenções Talatona, minutos antes do início da 7ª reunião de Alto Nível do Mecanismo Regional de Supervisão do Acordo-Quadro para a paz, segurança e cooperação na República Democrática do Congo e na região, que Luanda alberga.

Os conflitos internos latentes na República Democrática do Congo, no Burundi, Sudão do Sul e na República Centro-Africana, nortearam as audiências.

O ministro angolano das Relações Exteriores, Georges Chikoti, que testemunhou os encontros, disse à imprensa que com o líder congolês, José Eduardo dos Santos tratou de questões relacionadas ao conflito político prevalecente na RDC, com Idriss Deby, este na qualidade de presidente em exercício da União Africana, sobre os conflitos gerais em África, enquanto com Edgar Lungu falou de assuntos ligados à cooperação bilateral.

Estas individualidades, cujos países são da região dos Grandes Lagos (Africa Central), estão em Luanda para com outros líderes ou seus representantes participarem, hoje, na 7ª Reunião de Alto Nível do Mecanismo Regional de Supervisão do Acordo-Quadro para a paz, segurança e cooperação na República Democrática do Congo e na região.

Angola, que assume à presidência rotativa da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos (CIRGL), passa também a liderar o Mecanismo, na sequência do evento de hoje.

A CIRGL é constituída por Angola, Burundi, Zâmbia, República Democrática do Congo (RDC), República Centro Africana (RCA), República do Congo, Quénia, Uganda, Rwanda, Sudão do Sul, Sudão e Tanzânia. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA