Gâmbia se retira da Corte Penal Internacional

Prédio da corte, em Haia (Afp)

Gâmbia decidiu abandonar a Corte Penal Internacional (CPI), anunciou nesta terça-feira o ministro da Informação, Sheriff Bojang, seguindo os passos da África do Sul, que informou a mesma decisão na sexta-feira passada.

“A partir de hoje, 24 de Outubro de 2016, já não fazemos parte da CPI”, declarou o ministro à TV estatal de Gâmbia.

Na semana passada, a África do Sul anunciou sua saída do tribunal em Haia, corte internacional que julga os supostos autores de genocídios, crimes contra a humanidade e crimes de guerra.

A saída, que será efectiva em um ano, constitui o primeiro precedente deste tipo na história da CPI.

“Há muitos países ocidentais, ao menos 30, que cometeram crimes de guerra contra Estados soberanos e seus cidadãos desde a criação da CPI e nenhum criminoso de guerra ocidental foi imputado”, disse Bojang.

“Gâmbia levou a União Europeia à CPI há um ano pelo genocídio de milhares de jovens africanos nas águas europeias e desde então não soubemos nada”, acrescentou o ministro.

O centro da polémica está na decisão das autoridades sul-africanas de permitir a participação do presidente sudanês, Omar al Bashir, em uma cúpula africana, ignorando a ordem de prisão internacional que pesa sobre ele.

A CPI acusa Omar al Bashir de crimes de guerra, crimes contra a humanidade e genocídio na região de Darfur.

Desde sua criação, em 2003, a CPI investigou dez países, sendo nove africanos. (Afp)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA