EUA pedem que FMI seja mais explícito sobre economia global

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, em Washington, DC, no dia 14 de julho de 2016 (Afp)

Os Estados Unidos pediram neste sábado que o Fundo Monetário Internacional (FMI) se pronuncie com mais clareza sobre assuntos relevantes da economia global, incluindo as taxas de câmbio embora isso torne a organização mais impopular.

O FMI “deve intensificar a análise e se tornar mais aberto sobre assuntos importantes que têm impacto no crescimento e na estabilidade do sistema económico global”, expressou o secretário americano do Tesouro, Jacob Lew, em nota.

Entre os temas em que o FMI deve adoptar uma posição pública, o funcionário mencionou as taxas de câmbio, os desequilíbrios em contas correntes e a insatisfação da demanda.

“Em determinados momentos isso pode tornar o FMI impopular”, acrescentou. “Mas ser mais claro sobre assuntos centrais em seu mandato seguramente tornará o FMI uma instituição mais efectiva no longo prazo”, apontou.

Os Estados Unidos, maiores accionistas do FMI, esperam que a entidade financeira internacional faça maiores esforços para impulsionar países como a Alemanha a gastar mais de seu orçamento, em uma tentativa de promover o crescimento.

Lew também pediu ao Banco Mundial -onde Washington também é o maior accionista- a “administrar melhor” a pressão que as crescentes demandas de países-membros estão colocando sobre os recursos disponíveis no banco.

Para o funcionário americano, o banco poderá superar esse desafio com “selectividade e maior disciplina” para manter níveis viáveis de empréstimos”. (Afp)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA