Defendida implementação de programas para atender os mais vulneráveis

UNICEF (DR)

O chefe de políticas sociais do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Stefano Visani, defendeu hoje, quinta-feira, em Luanda, a implementação de programas que atinjam maior número de pessoas para diminuir em grande escala a carência dos mais vulneráveis.

Stafani Visani fez esta defesa no debate temático sobre a protecção social no Orçamento Geral do Estado 2016, numa realização da Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA).

Segundo o responsável, é necessário haver mudança de paradigmas deixar de implementar programas pequenos que alcançam um grupo restrito e promover acções que abrangem uma população considerável para deixarem de ser vulneráveis.

Referiu que a protecção social serve para dar as pessoas poder para com os seus próprios meios serem cidadãos activos e desta forma melhorar a condição de vida de suas famílias.

Para o director-geral da ADRA, Belarmino Jelembi, com este encontro procuram chamar atenção para que os valores alocados a protecção social no OGE possam crescer para atender cada vez melhor os mais necessitados.

Acrescentou que desta forma pretendem ajudar as pessoas a aprofundar a sua consciência crítica para que tenham informação inteligível sobre o OGE.

“Muitos vêm o orçamento como uma coisa muito complicada e nós estamos a tentar a jogar o nosso papel para que os cidadãos tenham acesso a esta temática” salientou.

A protecção social é um conjunto de medida formais e informais que tem como objectivo reduzir o impacto dos riscos sociais e económicos, vulnerabilidades e privações e de facilitar o crescimento equitativo.

O evento, que decorreu nas instalações da União dos Escritores Angolanos tem suporte do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e contou com a presença de técnicos do Ministério da Assistência e Reinserção Social e de vários organismos do Estado.

O Jango temático faz parte de um leque de eventos que visam enriquecer o conhecimento de diferentes actores chave desta área e aproxima-los de modo que partilhem ideias claras sobre o processo de orçamentação do sector de Protecção Social e como este influencia a melhoria de vida dos vulneráveis. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA