Contratação de Barroso pelo Goldman Sachs não violou regras de conduta da UE

A polémica contratação do português José Manuel Durão Barroso, ex-presidente da Comissão Europeia, pelo banco americano de investimentos Goldman Sachs não violou as regras de integridade europeias (Afp)

A polémica contratação do português José Manuel Durão Barroso, ex-presidente da Comissão Europeia, pelo banco americano de investimentos Goldman Sachs não violou as regras de integridade europeias, informou o comité de ética da UE em uma opinião não vinculante divulgada nesta segunda-feira.

“Com base nas informações divulgadas por Barroso em uma carta escrita ao presidente (da Comissão Jean-Claude) Juncker (…) não há elementos suficientes para estabelecer uma violação do dever de integridade e reserva”, afirma o comité.

Para o órgão consultivo, Barroso não actuou neste caso, no entanto, com o “julgamento que se pode esperar de alguém” que exerceu o cargo de presidente do Executivo europeu entre 2004 e 2014.

Seu sucessor à frente da Comissão solicitou a opinião do comité de ética, depois que a defensora pública europeia, Emily O’Reilly, solicitou uma investigação sobre a contratação do português como presidente executivo, uma nomeação que provocou indignação na Europa.

Um sindicato de trabalhadores das instituições europeias reuniu mais de 152.0000 assinaturas a favor de um código de ética mais rígido, por considerar a contratação de Barroso pelo Goldman Sachs “irresponsável”, “prejudicial” e “moralmente desonesta”.

José Manuel Barroso denunciou em sua carta a Juncker que estas medidas eram “discriminatórias” e afirmou que cumpriu em todos os momentos com as directrizes do bloco.

O código de conduta da UE prevê que os comissários devem pedir uma autorização à Comissão para trabalhar em um grupo privado durante os 18 meses posteriores ao final de suas funções.

Apesar da nomeação de Barroso ter acontecido após este período, a contratação provocou sérias dúvidas éticas, de acordo com a defensora europeia, ainda mais porque a reputação do Goldman Sachs é controversa.

O banco teve amplo envolvimento na venda de complexos produtos financeiros, incluindo as hipotecas sub-prime que contribuíram para a crise financeira de 2008, e também ajudo a Grécia a maquilhar sua dívida, antes da crise. (Afp)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA