Comissão Africana aplaude Minint

Pansy Tlakula - Presidente da Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos (Foto: Francisco Miúdo)

A presidente da Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos, Pansy Tlakula, manifestou nesta quarta-feira, em Luanda, a sua satisfação com o trabalho desenvolvido pelo Ministério do Interior (Minint), neste domínio.

De acordo com a comissária sul-africana, que falava à imprensa após um encontro com uma delegação do Minint, chefiada pelo ministro Ângelo da Veiga Tavares, no geral a delegação está satisfeita com aquilo que a instituição tem feito.

De igual modo, Pansy Tlakula afirmou que é bastante relevante a forma como o Ministério do Interior tem tratado as questões relacionadas com a violência doméstica.

Segundo a comissária, que fazia um balanço provisório da visita da sua delegação ao país, desde segunda-feira já manteve encontro com responsáveis de diferentes sectores, sendo que o o balanço mais pormenorizado será feito sexta-feira.

“Ainda não terminamos a nossa missão. Começamos segunda-feira e vamos terminar na sexta-feira, altura em que apresentaram os resultados da actividade”, disse.

Explicou que, durante o encontro com o ministro do Interior e seus auxiliares, este fez uma breve abordagem sobre como a instituição funciona em Angola, tipos de crimes que mais ocorrem, tal como sobre os refugiados e emigrantes, entre os quais os ilegais.

Disse que se referiu às medidas tomadas no quadro do seu departamento ministerial, contra os polícias que cometem crimes ou que não observam a lei.

De igual modo, disse ter recebido informações sobre a existência de uma comissão interministerial, liderada pelo Juiz do Tribunal Supremo, que tem lidado com questões relacionadas com a administração da justiça.

No acto de abertura do encontro, o ministro Ângelo da Veiga Tavares disse que o país tem estado a fazer esforços no sentido de melhorar o desempenho nesta ateria dos direitos humanos, reconhecendo no entanto as insuficiências, mas que tem sido desenvolvido esforços para corrigi-las.

O ministro louvou, por outro lado, o trabalho que está a ser desenvolvido pela Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA