Combate à crise vai fazer “caixa alta” na Mensagem do PR à Nação

Presidente da República, José Eduardo dos Santos (Foto: Pedro Parente)

O ambiente, particularmente difícil, que afecta cada angolano devido à crise económica, à escala mundial, deverá constituir um dos pontos altos do discurso do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, na segunda-feira (17), na Assembleia Nacional, durante a abertura da VI Sessão Legislativa da III Legislatura.

A abrupta queda do preço do barril do petróleo no mercado mundial, “número um” das vendas do país ao exterior, não isentou os angolanos, com a redução das receitas de exportação, e estes esperam ouvir do seu líder vias para a solução do problema.

O pronunciamento do Chefe de Estado Angolano circunscreve-se ao Artigo 118º da Constituição da República e acontece na abertura de cada Ano Parlamentar, na Assembleia Nacional, numa mensagem sobre o estado da Nação, contendo as políticas preconizadas para a resolução dos principais assuntos, promoção do bem-estar dos angolanos e desenvolvimento do país.

Na arena política, o titular do Poder Executivo vai, certamente, colocar acento tónico no Processo de Actualização do Registo eleitoral e de Prova de Vida a que os angolanos, a partir dos 18 anos de idade, estão a proceder, desde 25 de Agosto, no âmbito do calendário eleitoral, e que culminará com a ida às urnas (eleições), em 2017.

É expectável que o estadista toque em sectores como o da Saúde, Educação, Economia, Àguas, Energia, Defesa, Órdem Pública, entre outros aspectos da vida nacional.

José Eduardo dos Santos deverá enquadrar essa abordagem na Moção de Estratégia do Líder, aprovada no, recentemente realizado, VII Congresso do MPLA, partido que forma governo, de que também é presidente.

O documento, que comporta 10 desígnios nacionais, contempla, entre vários interesses, a consolidação da paz e reforço da democracia, a inclusão política de todos os cidadãos, promoção do desenvolvimento sustentável, humano e qualidade de vida dos angolanos, incentivo à criação de emprego, assim como o reforço do papel de Angola no contexto internacional e regional, entre outros aspectos.

Na abertura da IV sessão legislativa da III Legislatura sa Assembleia Nacional, a 15 de Outubro de 2016, a mensagem do PR sobre o Estado da Nação, mencionava que aquele período de maior fragilidade económica faria os angolanos olhar para o futuro de forma ainda mais ambiciosa, pois “é com o surgimento de desafios que se conseguem os feitos mais audaciosos, e esse é o caminho do progresso”.

“Angola é hoje um dos países africanos mais respeitados no plano internacional e um parceiro preferencial para se promover a paz, a estabilidade e o desenvolvimento na região em que se insere”, referia a comunicação do chefe de Estado angolano. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA