Apresentada metodologia de reabilitação dos musseques de Luanda na “Expo Habitat III”

Ãngela Mingas, arquitecta (Foto: Lino Guimaraes)

A Universidade Lusíada de Angola apresenta, na Exposição da “HABITAT III”, a decorrer de 15 a 20 do mês em curso, em Quito, Equador, a “metodologia de intervenção para a reabilitação dos Musseques das cidades de Luanda”.

Em entrevista à Angop, à arquitecta Ângela Mingas, explicou, que a metodologia em exposição, tem como base dois programas do Centro de Estudos e de Investigação Científica de Arquitectura da Universidade Lusíada de Angola.

“O primeiro, vem sido desenvolvido há seis anos pelo programa “Charrete” em parceria com estudantes de Universidades angolanas, africanas e da América Latina e o segundo é um estudo específico do musseque do Catambor, que acabou por ser o objecto principal de implementação desta metodologia”, disse Ângela Mingas.

Como complemento a Universidade Lusíada de Angola levou para Quito, o seu programa mais antigo denominado “Lundanji” desenvolvido em parceria com a empresa Craterre, que aborda a questão da construção ecológica.

Os visitantes do “Stand” da Universidade Lusíada de Angola, poderão conhecer ainda o manifesto de Luanda, documento que tem como base sete princípios, produzidos no Décimo Fórum de Arquitectura, para Ângela Mingas, estes pontos deveram nortear todos os trabalhos com os professores e estudantes de arquitectura e urbanismo.

Pela primeira vez, na Conferência “Habitat III”, sentar-se-ão a mesma mesa diferentes actores urbanos como governos, sociedade civil, sector privado, instituições académicas e todos os grupos relevantes para as políticas urbanas e habitacionais.

A Conferência “HABITAT I” teve lugar em Vancouver, Canada, em 1976, quando os governos reconheceram a necessidade de assentamentos humanos sustentáveis e as consequências da rápida urbanização.

As recomendações de Vancouver foram ratificadas 20 anos depois na conferência “HABITAT II” em Istambul, Turquia, onde foi adoptado o Plano de Acção Global para Abrigos Adequados para Todos. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA