Suspeito de atentados de Paris mantém silêncio diante de juiz

Comboio escolta Abdeslam ao Palácio da Justiça de Paris (AFP)

O único sobrevivente do grupo que cometeu os atentados de 13 de Novembro de 2015 em Paris, Salah Abdeslam, “exerceu seu direito ao silêncio” diante do juiz nesta quinta-feira, afirmou o advogado Frank Berton.

“Pela terceira vez exerceu seu direito ao silêncio durante o interrogatório, que durou quase uma hora e meia”, disse o advogado francês.

Desde que foi transferido da Bélgica para a França em 27 de Abril, o suspeito chave dos atentados de Paris, que deixaram 130 mortos, permanece calado. Em Julho, Abdeslam se recusou inclusive a ser retirado da cela da prisão de Fleury-Mérogis, ao sul de Paris, para o interrogatório.

“Este direito pertence a ele, é incontestável”, explicou o advogado.

“Temos a esperança de que um dia Salah Abdeslam responda as perguntas do juiz, mas não é para hoje”.

De acordo com o advogado, o juiz de instrução certamente convocará outra audiência.

A Promotoria de Paris confirmou à AFP que Salah Abdeslam permaneceu em silêncio após as perguntas do magistrado.

Frank Berton disse mais uma vez que a vigilância de vídeo permanente a que está submetido o detido explica “evidentemente” seu mutismo.

Para evitar qualquer tentativa de fuga ou suicídio, Abdeslam, que se encontra em regime de isolamento, é filmado por duas câmeras em sua cela e por outras quando se exercita no ginásio ou durante as caminhadas.

No final de julho, o Conselho de Estado, principal tribunal administrativo da França, considerou que o dispositivo não era desproporcional pelo “carácter excepcional dos actos terroristas” pelos quais Abdeslam foi acusado.

O papel exacto de Abdeslam durante os atentados não foi determinado, mas ele foi acusado de ter acompanhado os três homens-bomba que detonaram explosivos perto do Stade de France, ao norte da capital.

Ligado ao belga Abdelhamid Abaaoud, suposto cérebro dos ataques, aparentemente também teve um papel logístico e alugou veículos e apartamentos que serviram de esconderijo na área metropolitana de Paris. Os investigadores também suspeitam que ele ajudou no deslocamento de extremistas pela Europa. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA