Ressaltado espírito de perdão do Presidente da República

Governador José Maria dos Santos enaltece espírito de perdão do Presidente da República (Arquivo). (Foto: Estevão Manuel)

O governador do Cuanza Norte, José Maria Ferraz dos Santos, destacou nesta quarta-feira, em Ndalatando, o espírito de “magnanimidade” e de perdão do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, ao conceder perdão e liberdade a muitos concidadãos condenados, através da lei da amnistia.

Segundo o dirigente que falava num acto de entrega de títulos de soltura a 80 reclusos, os beneficiários devem levar em conta esta atitude benevolente do Presidente da República, e que a mesma deve servir de reflexão e revisão das suas condutas, na vida, para um novo capítulo e o início de um ciclo de vida melhor.

“Os nossos reclusos sabem que esta lei da amnistia não é mais do que a demonstração, mais uma vez, do espírito de magnanimidade e de perdão do camarada Presidente José Eduardo dos Santos”, disse, aludindo que ela deve servir para reflexão, com vista á mudança de atitudes, comportamentos e a prática de actos socialmente úteis e produtivos, para o desenvolvimento da província e do país.

Para o governador do Cuanza Norte, o facto da maioria de reclusos serem jovens, que são a força do desenvolvimento do país, ao saírem da cadeia devem procurar ter uma outra postura no seu contributo como angolanos e jovens bravos, “e possamos desenvolver Angola”.

Além dos 80 presos soltos nesta quarta-feira à luz da lei da amnistia, 14 já foram postos em liberdade em dias anteriores, enquanto 22 outros aguardam pela legalização dos seus processos.

O acto de que fizeram parte o delegado do Ministério do Interior e Comandante provincial da Polícia Nacional, comissário Simão de Sousa Pereira Inglês e o juiz presidente do tribunal provincial, Dolcílio Joaquim Sebastião Bento, decorreu na unidade penitenciária de Ndalatando.

Membros do governo, responsáveis de distintos órgãos da administração da justiça, líderes religiosos, autoridades tradicionais e população em geral assistiram ainda a cerimónia. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA